Em defesa dos empregos

Em ato contra fechamento da Ford, metalúrgicos aprovam unidade da luta

Sindicato de São José dos Campos se soma à luta dos companheiros de Taubaté

| Atualizado em

Ato na Avenida do Povo
Ato na Avenida do Povo

A luta contra o fechamento da Ford no Brasil levou diferentes sindicatos e as centrais CSP-Conlutas e CUT a se unirem, nesta quarta-feira (13), num ato político na Avenida do Povo, em Taubaté. A unificação da luta entre as centrais foi aprovada em votação pelos trabalhadores.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e a CSP-Conlutas levaram sua solidariedade aos funcionários da montadora e defenderam a estatização da Ford no país. Também participaram do ato alguns vereadores e deputados.

O fechamento da fábrica no Brasil levará à demissão de 5 mil trabalhadores diretos, sendo que 830 são da unidade de Taubaté. Também deve provocar outras 15 mil demissões no setor de autopeças no país.  

Os cortes acontecerão apesar de todo incentivo fiscal que os governos sempre deram ao setor automotivo. Nos últimos 20 anos, as montadoras receberam R$ 69,1 bilhões em incentivos federais (valores corrigidos pela inflação).

“As multinacionais tiram dinheiro das prefeituras, da saúde, da educação, depois fecham as portas e vão embora. É preciso mudar essa situação. Que os trabalhadores tomem esta luta em suas mãos. É preciso que as centrais se somem nesta resistência, se não o destino dos trabalhadores da Ford será o destino de todos os trabalhadores brasileiros”, disse o dirigente nacional da CSP-Conlutas Luiz Carlos Prates, o Mancha.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Weller Gonçalves, colocou a estrutura da entidade a serviço da luta dos companheiros da Ford e defendeu que o governo federal estatize empresas que demitirem.

“Não podemos admitir o corte de milhares de empregos diretos e indiretos, principalmente num cenário de pandemia, numa empresa que está há mais de 100 anos no país e agora quer ir embora. É tarefa do governo Bolsonaro estatizar empresas que realizarem demissão em massa e fecharem. Temos que colocar pressão nos governos municipal, estadual e federal. Contem conosco nesta luta contra o fechamento da Ford”, afirmou Weller.


Por vacina, auxílio emergencial e empregos, fora Bolsonaro e Mourão!
Nota oficial

Por vacina, auxílio emergencial e empregos, fora Bolsonaro e Mourão!

É preciso dar um basta nesse governo genocida

Com agravamento da pandemia, Sindicato volta a fechar sede e subsedes
Atenção

Com agravamento da pandemia, Sindicato volta a fechar sede e subsedes

A medida visa preservar a saúde dos metalúrgicos, funcionários do Sindicato e dirigentes sindicais.

Luta contra fechamento da Ford ganha apoio dos metalúrgicos da Chery
Em defesa do emprego

Luta contra fechamento da Ford ganha apoio dos metalúrgicos da Chery

Trabalhadores fazem assembleia na fábrica em Jacareí

Ação do Sindicato leva à reintegração de ativista da MWL
Vitória

Ação do Sindicato leva à reintegração de ativista da MWL

Éder de Oliveira, o Batoré, foi reintegrado à fábrica nesta sexta-feira (15)

Sindicato consegue reintegração de ex-cipeiro da Avibras
Jurídico

Sindicato consegue reintegração de ex-cipeiro da Avibras

César Alves Ribeiro, trabalhador da Avibras, estava na carência do pós-mandato de Cipa

Metalúrgicos da GM aprovam apoio à luta contra fechamento da Ford
Solidariedade

Metalúrgicos da GM aprovam apoio à luta contra fechamento da Ford

Sindicato defende estatização da montadora no Brasil

Sindicato notifica Embraer sobre novos cortes e contágio da covid-19
Setor aeronáutico

Sindicato notifica Embraer sobre novos cortes e contágio da covid-19

Sindicato cobra explicações da empresa

Sindicato oferece sedes para campanha de vacinação contra covid-19
Pandemia

Sindicato oferece sedes para campanha de vacinação contra covid-19

Iniciativa é forma concreta de ajudar a salvar vidas e levar vacina com mais rapidez para a população.

Ford anuncia fechamento de fábricas no Brasil. Medida é intolerável!
Demissão em massa

Ford anuncia fechamento de fábricas no Brasil. Medida é intolerável!

Sindicato manifesta sua solidariedade aos operários atingidos e apoia luta

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333