Campanha

Ato pela reestatização da Embraer faz chamado à luta unitária

| Atualizado em

O lançamento da campanha “Uma Embraer para os brasileiros. Reestatização, já”, nessa quarta-feira (27), foi um grande chamado para a luta pela retomada da empresa em direção dos interesses do país e da população. O ato virtual, transmitido ao vivo por redes sociais, foi organizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos.

Dirigentes sindicais, políticos e estudiosos apresentaram diferentes argumentos, mas todos com um ponto em comum: para manter a Embraer a serviço do Brasil e dos brasileiros, o único caminho é torná-la novamente 100% estatal.

A campanha pela reestatização acontece pouco depois da desistência da compra da Embraer pela Boeing. O episódio deixou claro que manter a empresa nas mãos de capital privado coloca em risco parte da soberania do país, empregos e décadas de conhecimento.

Foi neste cenário que o Sindicato decidiu lançar a campanha pela reestatização.

O diretor do Sindicato Herbert Claros, que apresentou o ato, ressaltou que a crise vivida hoje pela Embraer não é apenas em razão da pandemia que atingiu toda a indústria de aviação. A crise nasceu no momento em que a diretoria da empresa decidiu aceitar a proposta de compra da Boeing.

“O processo de venda deixou uma situação de caixa ruim. A empresa gastou milhões para se preparar para a entrega. Além disso, nos últimos três anos a Embraer deixou de fazer investimentos, e isso é um risco para uma empresa de tecnologia”, afirmou Herbert.

O ex-presidente do Sindicato Toninho Ferreira, que também apresentou o ato, completou: “A Embraer tem a capacidade de construir todo o ciclo do avião. E é isso que querem tirar. Não podemos voltar ao início do século passado. Está nas mãos da classe trabalhadora impedir isso. Esperamos que com essa campanha a gente consiga conquistar a consciência da população brasileira”.

Para dar pluralidade ao ato, o Sindicato convidou representantes de diferentes centrais sindicais e partidos para se manifestarem. Pelas centrais participaram CSP-Conlutas, CUT, Força Sindical, CTB e Intersindical.

Pelos partidos políticos, participaram o senador Paulo Paim (PT), a deputada federal e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, os deputados federais Orlando Silva (PCdoB) e Sâmia Bomfim (PSOL), o vice-presidente do PDT, Ciro Gomes, o secretário geral do PCB, Edmilson Costa, e a ex-candidata à Presidência pelo PSTU, Vera Lúcia.

Projeto de lei
O deputado federal Orlando Silva tem um papel relevante na campanha pela reestatização da Embraer. Ele apresentou um projeto de lei para devolvê-la ao estado. O texto foi produzido por uma equipe do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos.  

“Os governos de traição nacional de Michel Temer e Jair Bolsonaro tentaram liquidar a empresa e vender a preço vil. Deu errado a compra pela Boeing.  Agora, o que fazer? É hora de reestatizá-la. Por isso, apresentei um projeto de lei na câmara dos deputados e tenho buscado vários deputados para serem coautores, de modo que possamos devolver ao povo brasileiro um de seus maiores patrimônios”, afirmou Orlando.

Para conseguir a aprovação pelo Congresso Nacional, será de grande importância o envolvimento da população e de diferentes setores da sociedade na campanha pela reestatização. Sem pressão, dificilmente haverá aprovação.

Como peça essencial dessa campanha, o Sindicato produziu um manifesto. Pelo menos 150 entidades e lideranças já assinaram. O documento pode ser acessado aqui e ainda está aberto a adesões.

Outras participações no ato

“Também estamos lutando pela nacionalização da Alitalia, porque essa é a única solução para defender o emprego e um setor estratégico para os interesses sociais e econômicas da comunidade”. Daniele Cofani, sindicalista da central sindical italiana CUB e mecânico de aeronaves da Alitalia

"Nós, do MML, somos a favor da reestatização imediata da Embraer. Não apenas porque essa medida vai garantir empregos de centenas de trabalhadores e trabalhadoras, mas também porque essa é uma empresa de tecnologia avançada, histórica no nosso país, que pode favorecer o desenvolvimento da economia e soberania nacional. Estamos vivenciando nessa pandemia o risco que é depender da tecnologia de outros países”. Marcela Azevedo, membro do Movimento Mulheres em Luta

“A Embraer é patrimônio nosso, e para que esse patrimônio seja preservado e possa dar frutos tem que ser reincorporado ao estado brasileiro. Só o estado tem a capacidade de realmente manter a integridade da Embraer, num mundo muito difícil, de grande competição, em que os estados interferem de uma forma ou de outra nas grandes companhias”. Celso Amorim, ex-ministro de relações exteriores.

“A Embraer é resultado de décadas de investimentos de toda a sociedade brasileira. Foi com recursos oriundos de impostos de cada um de nós e do suor de gerações de trabalhadores que foi possível realizar o sonho de uma indústria de aeronaves aqui em nosso país. É inadmissível imaginar que a Embraer possa deixar de existir por conta do jogo das grandes corporações globais do setor". Fausto Augusto Junior, diretor técnico do Dieese

“Essa suposta crise pela qual passa a Embraer não tem nada a ver com seu desempenho. A empresa tem patrimônio líquido muito superior ao de suas concorrentes, como Airbus, Boeing, Bombardier; tem uma taxa de lucro superior a do mercado.  Não é só montadora de aeronaves; ela constrói grande parte de seus componentes, com tecnologia própria. (...) Mas a Embraer fica absolutamente vulnerável se compete num cenário em que os países reconhecem suas respectivas empresas como sendo  estratégias para esses respectivos países, e o Brasil não a reconhece como estratégica. Por isso os maiores interessados hoje na defesa da Embraer, na reestatização, são os trabalhadores brasileiros". Gustavo Machado, pesquisador do Ilaese

“A constante desnacionalização da empresa levada a cabo por diversos governo e a venda criminosa e irresponsável para a Boeing, apoiada pelo prefeito da cidade e realizada com o aval dos governos Temer e Bolsonaro, felizmente foi desfeita. Mas essa situação levou a Embraer a uma perda financeira e agora quer descarregar nas costas dos trabalhadores o preço dessa crise, através de demissões e redução de direitos. A reestatização sob controle dos trabalhadores é uma necessidade. Os grandes acionistas da empresa têm suas ações nos Estados Unidos e não estão preocupados com a soberania nacional. Ao contrário, ao entregar o patrimônio para a Boeing, demonstraram sua ganância. Os trabalhadores são capazes de administrar a empresa. Luiz Carlos Prates, o Mancha, membro da Executiva Nacional da CSP-Conlutas

“Muitas pesquisas e estudos de institutos renomados apontam que a necessidade da reestatização da Embraer é importante. Há inclusive um projeto do senador Jaques Vagner que vai nesse sentido.  Nós sabemos da sua importância e não é por menos.  A Embraer é responsável direta por 5% de todo esforço tecnológico brasileiro, uma das líderes mundiais nesse setor. Emprega 16 mil trabalhadores e fabrica até 110 aeronaves por ano. (...) O suporte público é necessário. Trabalhadores e trabalhadoras, podem contar com meu total apoio nesse pleito. Somente com a unidade de todos nós será possível avançarmos e termos a vitória que todos esperam." Paulo Paim, senador (PT)

“Modernamente, outro nome de soberania nacional é ciência e tecnologia. Nosso país tem sido destruído nesse esforço. O único setor  onde nós temos sofisticação e superávit na balança de pagamentos em tecnologia sofisticada é no setor aeroespacial por causa da nossa Embraer. Os canalhas que dirigem o Brasil quiseram entregar para a Boeing . Nós temos lutado muito e agora também, por sorte, nossa Embraer nos foi devolvida. Trata-se agora de nos organizarmos para que nunca mais o Brasil perca esse tesouro, uma visão estratégica que comprometa o estado nacional brasileiro em manter a Embraer nacional e, se necessário, pertencente ao conjunto do povo brasileiro." Ciro Gomes, vice-presidente do PDT

“A Embraer é a maior empresa de alta tecnologia do país e a terceira maior exportadora. Não à toa, fechou o ano de 2019 com mais de 11 bilhões de reais em caixa, mas mesmo assim, nesse contexto, os diretores e acionistas da empresa têm programas e processos de demissão, muitas vezes demissão em massa, prejudicando muito a vida dos trabalhadores e de suas famílias. E mais recentemente, justamente por essa lógica de submissão completa ao capital estrangeiro, tentou-se um processo de venda da Embraer para a Boeing. O fato é que existe uma insegurança muito grande para a vida desses trabalhadores e, mais do que isso, para toda riqueza e produção que ela gera para o povo brasileiro.” Sâmia Bomfim, deputada federal (PSOL)

“Está mais do que comprovado o quanto é importante a retomada da luta pela Embraer 100% estatal, mas não basta que seja estatal. É preciso que seja controlada pelo conjunto dos trabalhadores que nela trabalham, que produzem essa grande riqueza, que controlam e sabem da importância estratégica para esse país. Mais do que isso, não é apenas uma luta do Sindicato dos Metalúrgicos. É uma luta de todo brasileiro, de toda brasileira que defende uma Embraer 100% estatal controlada pelos trabalhadores. É uma luta de todos nós.” Vera Lúcia, ex-candidata à presidência pelo PSTU

 


Em dia de novo protesto, demitidos da Embraer cobram Felicio fora do Paço Municipal
Luta pelo emprego

Em dia de novo protesto, demitidos da Embraer cobram Felicio fora do Paço Municipal

Trabalhadores e dirigente do Sindicato encontraram prefeito em praça da cidade

Metalúrgicos rejeitam proposta da Ericsson e aprovam aviso de greve
Campanha Salarial 2020

Metalúrgicos rejeitam proposta da Ericsson e aprovam aviso de greve

Sindicato e Ericsson deverão realizar uma nova rodada de negociação na próxima terça-feira (29)

Greve dos trabalhadores da MWL continua por preservação de empregos e direitos
Mobilização

Greve dos trabalhadores da MWL continua por preservação de empregos e direitos

Com dívida estimada em R$ 11 milhões, empresa pode ser despejada a partir do dia 10 de outubro

Sindicato mantém mobilização para cancelar demissões na JC Hitachi
Reintegração, já!

Sindicato mantém mobilização para cancelar demissões na JC Hitachi

Empresa dispensou 48 trabalhadores, no dia 17, sem negociação

Trabalhadores fazem nova manifestação contra fechamento da MWL
Em defesa dos empregos

Trabalhadores fazem nova manifestação contra fechamento da MWL

Empresa, Sindicato, prefeito e vereadores reúnem-se hoje, às 16h

Químicos da TI Brasil entram em greve por ampliação de benefícios
Apoio à luta

Químicos da TI Brasil entram em greve por ampliação de benefícios

Sindicato da categoria está em negociação com a empresa

Metalúrgicos da Gerdau têm de se mobilizar contra zero de reajuste
Campanha Salarial

Metalúrgicos da Gerdau têm de se mobilizar contra zero de reajuste

Somente a inflação do período é de 2,94%

Trabalhador da Embraer aprova calendário de mobilizações contra demissões
Em defesa dos empregos

Trabalhador da Embraer aprova calendário de mobilizações contra demissões

O primeiro ato será a participação na Marcha em defesa dos empregos na MWL, que irá ocorrer na quinta (24), às 8h, em...

TRT propõe cancelamento de demissões e abertura de layoff na Embraer
Audiência virtual

TRT propõe cancelamento de demissões e abertura de layoff na Embraer

Justiça deu prazo de uma semana para a empresa avaliar proposta ou apresentar uma alternativa de conciliação

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333