Crueldade

Governo Bolsonaro cogita deixar aposentados sem reajuste por 2 anos

Proposta acabaria, por exemplo, com a correção automática do piso de aposentadorias e pensões

| Atualizado em

A área econômica do governo Bolsonaro defende que aposentadorias e pensões sejam desvinculadas do reajuste do salário mínimo e congeladas nos próximos dois anos. Em plena pandemia, esse absurdo foi proposto pelo secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

A proposta acabaria, por exemplo, com a correção automática do piso de aposentadorias e pensões – que hoje não podem ser menores que o salário mínimo. 

Os membros do governo também querem que os benefícios maiores fiquem congelados por 2 anos.

"A desindexação que apoiamos diretamente é a dos benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima de um salário mínimo, não havendo uma regra simples e direta [de correção]. O benefício hoje sendo de R$ 1.300, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, ele seria mantido em R$ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção", disse Waldery ao portal de notícias G1.

Segundo ele, embora isso esteja em discussão, o governo ainda não fechou posição sobre o tema.

Como atualmente o piso da Previdência não pode ser menor que o salário mínimo, as aposentadorias e pensões são reajustadas sempre que o mínimo é corrigido. Esse reajuste é anual e não pode ficar abaixo da inflação do ano anterior.

Os benefícios mais altos, no entanto, não têm a mesma vinculação, o que gera perdas aos aposentados e pensionistas que ganham mais. Em 2020, por exemplo, o salário mínimo foi corrigido em 4,7%, e os benefícios acima do piso, em 4,48%.

Se a proposta do Ministério da Economia for aprovada, todos os benefícios previdenciários ficam congelados no valor atual – independentemente da inflação ou do aumento salarial do período.

Além das aposentadorias e pensões, outros benefícios previdenciários também teriam reajuste zero, como o salário-maternidade, o auxílio-doença e o salário-família. 

Programas assistenciais, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), não entrariam nessa regra, mas o governo também estuda mecanismos para reduzir o número de brasileiros atendidos por eles.

Para o presidente da Admap (Associação Democrática dos Aposentados e Pensionistas) do Vale do Paraíba, Lauro da Silva, a proposta discutida pelo governo é um crime contra os idosos, no momento em que eles mais precisam.

"É criminosa essa tentativa da equipe de Bolsonaro em querer jogar nos ombros de aposentados e pensionistas a conta da crise, em plena pandemia do coronavírus, que tem vitimado sobretudo os idosos. É preciso urgentemente que nos mobilizemos contra essa crueldade”, afirmou.

"Chamamos as federações e a Cobap (Confederação Brasileira dos Aposentados, Pensionistas e Idosos) a promover mobilizações, com os meios que tivermos à mão e preservando nossas vidas, para denunciar e combater essa injustiça", acrescentou.

Fonte: www.vozdoaposentado.org.br


Cancelamento de demissões na Embraer é tema de audiência nesta terça
TRT

Cancelamento de demissões na Embraer é tema de audiência nesta terça

Sindicato está convocando assembleia para quarta-feira, em frente à fábrica

Metalúrgicos da zona sul devem se preparar para mobilização
Campanha Salarial 2020

Metalúrgicos da zona sul devem se preparar para mobilização

Assecre segue sem apresentar uma proposta oficial de acordo

Em defesa dos empregos, metalúrgicos da MWL votam pela continuidade da greve
Mobilização

Em defesa dos empregos, metalúrgicos da MWL votam pela continuidade da greve

Paralisação será mantida pelo menos até quinta-feira (1º), quando acontecerá uma audiência virtual convocada pelo MPT

Em dia de novo protesto, demitidos da Embraer cobram Felicio fora do Paço Municipal
Luta pelo emprego

Em dia de novo protesto, demitidos da Embraer cobram Felicio fora do Paço Municipal

Trabalhadores e dirigente do Sindicato encontraram prefeito em praça da cidade

Metalúrgicos rejeitam proposta da Ericsson e aprovam aviso de greve
Campanha Salarial 2020

Metalúrgicos rejeitam proposta da Ericsson e aprovam aviso de greve

Sindicato e Ericsson deverão realizar uma nova rodada de negociação na próxima terça-feira (29)

Greve dos trabalhadores da MWL continua por preservação de empregos e direitos
Mobilização

Greve dos trabalhadores da MWL continua por preservação de empregos e direitos

Com dívida estimada em R$ 11 milhões, empresa pode ser despejada a partir do dia 10 de outubro

Sindicato mantém mobilização para cancelar demissões na JC Hitachi
Reintegração, já!

Sindicato mantém mobilização para cancelar demissões na JC Hitachi

Empresa dispensou 48 trabalhadores, no dia 17, sem negociação

Trabalhadores fazem nova manifestação contra fechamento da MWL
Em defesa dos empregos

Trabalhadores fazem nova manifestação contra fechamento da MWL

Empresa, Sindicato, prefeito e vereadores reúnem-se hoje, às 16h

Químicos da TI Brasil entram em greve por ampliação de benefícios
Apoio à luta

Químicos da TI Brasil entram em greve por ampliação de benefícios

Sindicato da categoria está em negociação com a empresa

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333