Crise do coronavírusus

Maioria dos que recebem auxílio emergencial reprova Bolsonaro na pandemia

49% classificam a atuação do presidente como ruim ou péssima

| Atualizado em

Fila para receber o auxílio-emergencial
Fila para receber o auxílio-emergencial

Marcada por muito improviso e pelo menosprezo aos perigos do novo coronavírus, a gestão de Jair Bolsonaro durante a pandemia tem alta reprovação, mesmo entre os brasileiros que recebem o auxílio emergencial de R$ 600. 

Segundo pesquisa feita pelo Datafolha, divulgada na terça-feira (30), 49% das pessoas que foram aprovadas no programa de distribuição de renda consideram a atuação do presidente ruim ou péssima no período de crise sanitária. 

Entre a parcela da população que não recebe o benefício, a reprovação de Bolsonaro chega a 51%. 

A maioria dos entrevistados também afirmou que o presidente mais atrapalha do que ajuda no combate à covid-19. Entre aqueles que recebem o auxílio, 61% consideram ineficazes as ações de Bolsonaro. O índice se repetiu entre os que não receberam ajuda financeira. 

Insuficiente
O auxílio emergencial não chegou nem perto de cumprir o objetivo de atenuar as perdas financeiras dos milhões de trabalhadores afetados pela pandemia. 

Pensado inicialmente para ser distribuído em três parcelas de R$ 200, o benefício foi, posteriormente, fixado em R$ 600. Com o valor irrisório, milhares de brasileiros tiveram que sair às ruas para trabalhar. O resultado são os números catastróficos de contágio (1.426.913) e mortes (60.194), até esta quarta-feira (1º).

População desassistida
Mas até mesmo a pouca ajuda financeira tem data para acabar. O governo anunciou, na terça-feira, que serão pagas mais duas parcelas do auxílio. Com isso, grande parte da população, em especial a mais pobre, será abandonada definitivamente a partir de setembro.

Não há momento pior para que o brasileiro fique desassistido. A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) afirmou que o pico da pandemia na América Latina deverá ser alcançado justamente em setembro. 

Quarentena geral, já!
O cenário de alta de contágio reforça a necessidade do isolamento social. Mas para poder ficar em casa, os trabalhadores precisam de uma compensação financeira digna. O Sindicato defende a adoção da quarentena geral para todos os profissionais que atuam em serviços não essenciais, com licença remunerada.

“A população sabe que o governo tem agravado os efeitos da crise com suas atitudes. Por isso, nós defendemos o fora Bolsonaro e Mourão. Só mesmo derrubando esse governo poderemos garantir saúde e emprego para os brasileiros”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Renato Almeida.


Metalúrgicos da GM podem receber até R$ 13 mil de PLR
Assembleia

Metalúrgicos da GM podem receber até R$ 13 mil de PLR

Trabalhadores também aprovaram abertura de PDV

Nesta quinta, tem assembleia para escolha de comissão eleitoral
Na sede

Nesta quinta, tem assembleia para escolha de comissão eleitoral

Evento dá início ao processo de eleição da diretoria do Sindicato

Trabalhadores da Cambará entram em greve por reajuste salarial e cancelamento de demissões
Paralisação

Trabalhadores da Cambará entram em greve por reajuste salarial e cancelamento de demissões

Mobilização começou na sexta-feira. A produção ficou parada por cerca de 30 minutos naquele dia

Metalúrgicos da Parker conquistam 3% de reajuste salarial e renovação de direitos
Campanha Salarial

Metalúrgicos da Parker conquistam 3% de reajuste salarial e renovação de direitos

Votação da Parker Filtros ocorreu de forma virtual. Já na Parker Hannifin, a assembleia foi presencial.

Assembleia de previsão orçamentária acontece no dia 30
Sindicato

Assembleia de previsão orçamentária acontece no dia 30

A reunião será às 17h30, na sede da entidade

Homem negro é espancado até a morte em supermercado
Racismo

Homem negro é espancado até a morte em supermercado

Crime aconteceu na véspera do Dia da Consciência Negra

Desigualdade entre brancos e negros é realidade cruel no Brasil
Dia da Consciência Negra

Desigualdade entre brancos e negros é realidade cruel no Brasil

Após 133 anos do fim da escravidão, o racismo ainda impõe condições de vida muito piores à população negra.

Metalúrgicos exigem melhores condições de trabalho na Cal Leve
Segurança no trabalho

Metalúrgicos exigem melhores condições de trabalho na Cal Leve

A principal queixa é em relação à falta de segurança

Documentário mostra drama de trabalhadores por trás de demissão em massa na Embraer
Estreia dia 19

Documentário mostra drama de trabalhadores por trás de demissão em massa na Embraer

São relatados casos de assédio, desrespeito a direitos trabalhistas e demissão de lesionados

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333