Revoltante

Morte de adolescente escancara aumento da violência policial em São Paulo

Guilherme Silva Guedes, de apenas 15 anos, foi encontrado morto com sinais de tortura


Morte de Guilherme gerou revolta na comunidade
Morte de Guilherme gerou revolta na comunidade

As imagens de dezenas de jovens negros protestando contra a violência policial lembram as manifestações após o assassinato de George Floyd, em Minneapolis, nos Estados Unidos. Mas desta vez a revolta é no Brasil. O bairro de Vila Clara, zona sul de São Paulo, foi palco de protestos radicalizados na noite de segunda-feira (15). 

A comunidade se revoltou após a morte de Guilherme Silva Guedes, de apenas 15 anos. Morador conhecido do bairro, Guilherme havia desaparecido no domingo (14). O corpo do adolescente foi encontrado no dia seguinte, com sinais de tortura, na cidade de Diadema, Grande São Paulo.

Há indícios de que o crime tenha ocorrido com a participação de policiais militares. No local em que Guilherme foi visto pela última vez, foi encontrado um pedaço de pano semelhante ao usado em fardas da corporação, com a inscrição “SD (Soldado) PM Paulo”. Câmeras de segurança mostram dois homens armados abordando o garoto na rua. 

Indignados com o ocorrido, moradores fecharam as vias do bairro e colocaram fogo em pneus. Manifestantes também queimaram um ônibus. Acionada para conter o protesto, a PM reprimiu de forma indiscriminada os moradores, agredindo inclusive quem não participava do ato.

Escalada de violência
No sábado (13), um dia antes do desaparecimento de Guilherme, dois casos de violência policial ganharam as manchetes. No bairro Jardim Felicidade, zona norte de São Paulo, um jovem de 27 anos foi espancado por pelo menos cinco policiais. A ação foi filmada, o que ajudou na identificação e prisão de oito envolvidos. 

No mesmo dia, em Barueri, uma gravação mostra um homem sentado na calçada sendo abordado por policiais que estavam em uma viatura. Após revista, um deles pula sobre as costas da vítima e aplica o enforcamento (gravata). Pessoas que tentaram ajudar o homem também foram agredidas. 

Cenas de violência policial são cada vez mais comuns nas periferias paulistanas. O número de “mortes em decorrência de intervenção policial “ no estado bateu recorde em abril. Foram 116 casos publicados no Diário Oficial – um aumento de 54,6%.

Dória, a culpa é sua
Apesar de lamentar os recentes acontecimentos, o governador João Dória (PSDB) tem grande parcela de culpa na escalada da violência policial. Na campanha que o elegeu, em 2018, ele surfou na onda pró-Bolsonaro e defendeu uma polícia mais dura. 

Como governador, a estratégia do político tucano foi aumentar os Batalhões de Ações Especiais da Polícia (Baeps), conhecidos pela violência. O estado de São Paulo conta com 11 Baeps, no entanto, o plano de Dória é dobrar esse número até o final do mandato. 

“A revolta popular que se viu na periferia de São Paulo é o reflexo do sistema violento que atinge as pessoas mais pobres. É preciso cobrar o fim do racismo e da violência praticados pela polícia. Dória é responsável por cada corpo inocente que cai pelas mãos da PM”, afirma o diretor do Sindicato Valmir Mariano da Silva.


Ford anuncia fechamento de fábricas no Brasil. Medida é intolerável!
Demissão em massa

Ford anuncia fechamento de fábricas no Brasil. Medida é intolerável!

Sindicato manifesta sua solidariedade aos operários atingidos e apoia luta

Morre diretor do Sindicato dos Papeleiros de Jacareí, vítima de covid-19
Luto

Morre diretor do Sindicato dos Papeleiros de Jacareí, vítima de covid-19

O Sindicato dos Metalúrgicos lamenta a morte do companheiro, que esteve presente em diversas mobilizações no Vale do...

Ocupação Coração Valente agora é área de interesse social
Vitória

Ocupação Coração Valente agora é área de interesse social

Área só poderá ser utilizada para construção de moradias populares

Vacinação contra covid-19 expõe necessidade de investimentos em ciência no Brasil
Coronavírus

Vacinação contra covid-19 expõe necessidade de investimentos em ciência no Brasil

Bolsonaro nega importância das pesquisas e coloca população em risco

Metalúrgicos da General Motors receberão R$ 13 mil de PLR
Participação nos Lucros

Metalúrgicos da General Motors receberão R$ 13 mil de PLR

Segunda parcela do benefício será paga este mês

Sem provas, ativistas sociais negros são presos em São Paulo
Absurdo

Sem provas, ativistas sociais negros são presos em São Paulo

CSP-Conlutas lançou campanha exigindo a liberdade de Igo Ngo e Felipe

Brasileiros iniciam ano com aumentos abusivos nos planos de saúde
Seu bolso

Brasileiros iniciam ano com aumentos abusivos nos planos de saúde

De acordo com a ANS, 5,3 milhões de usuários serão afetados pela medida.

Sindicato adota novas medidas de prevenção à covid-19
Pandemia

Sindicato adota novas medidas de prevenção à covid-19

Durante todo o mês de janeiro, os funcionários irão se revezar entre o sistema de home office e presencial

GM anuncia retomada de investimentos em São José e São Caetano
10 bilhões de reais

GM anuncia retomada de investimentos em São José e São Caetano

Segundo a empresa, serão desenvolvidos novos modelos e haverá ampliação da oferta de equipamentos

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333