Vidas negras importam

Assassinato de homem negro por policial branco incendia os EUA


George Floyd, morto pelo policial Derek Chauvin
George Floyd, morto pelo policial Derek Chauvin

O covarde assassinato de um cidadão negro por um policial branco nos Estados Unidos voltou a fazer do país um caldeirão, com explosão de protestos em várias cidades contra o racismo e a truculência da polícia.

George Floyd, 46 anos, morreu asfixiado pelo policial Derek Chauvin, que pressionou o seu joelho contra o pescoço do homem negro, rendido e imobilizado no chão, por minutos. Floyd ainda suplicou por sua vida: "Eu não consigo respirar". O caso ocorreu na cidade de Minneapolis.

A cena chocou o mundo e fez ressurgir no país o movimento 'Black Lives Matter' (Vidas negras importam). Além da cidade onde ocorreu esse crime, várias regiões foram palco de manifestações contra o racismo; em alguns protestos, houve confronto com as forças policiais. 

Outras localidades como Nova York, Columbus, Phoenix e Denver também tiveram atos. Dezenas de pessoas foram presas em Nova York após um ato na Union Square e o trânsito chegou a ser interrompido em Manhattan. 

O policial Chauvin já acumulava 17 denúncias na corporação antes do assassinato do homem negro, mas foi punido em apenas uma delas

No dia 28, uma delegacia de Minneapolis foi invadida e incendiada pelos manifestantes. Na cidade vizinha de Saint Paul, a polícia também contabilizava os danos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anteriormente chamou o vídeo da morte de Floyd de "chocante", agora mostra a sua verdadeira face, dizendo, em uma rede social, que os manifestantes eram "brutamontes". Trump ainda ameaçou: "quando os saques começam, o tiroteio começa", dando a entender que a Guarda Nacional, enviada pelo governo à cidade, pode atirar contra quem estiver nos protestos antirracistas.

Histórico
O caso da tortura e assassinato de Floyd recorda o do nova-iorquino Eric Garner, outro homem negro que morreu em 2014, em Nova York, ao ser asfixiado enquanto era detido por um policial branco. Garner também disse "Não consigo respirar", uma frase que se tornou um grito de guerra do movimento Black Lives Matter. 

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu aos Estados Unidos que tomem "medidas sérias" após "uma série de assassinatos de afro-americanos desarmados cometidos pela polícia americana". 

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou a morte "devido ao uso excessivo da força pela polícia". E, em uma série de postagens no Twitter, citou estatísticas indicando que pessoas de ascendência africana nos Estados Unidos têm três vezes mais chances de serem mortas do que brancos.

"O assassinato de um cidadão negro de forma tão covarde por um policial branco é algo profundamente revoltante. Vidas negras importam, sim, seja nos Estados Unidos ou em qualquer lugar no mundo. Estamos juntos com os norte-americanos nessa luta", disse o diretor do Sindicato Valmir Mariano.


Sindicato e MWL têm audiência no TRT nesta terça-feira
Em defesa dos empregos

Sindicato e MWL têm audiência no TRT nesta terça-feira

Encontro é resultado de uma ação movida para que a empresa dê garantias quanto à manutenção dos empregos e direitos

Metalúrgicos de três fábricas da região aprovam PLR
Assembleias

Metalúrgicos de três fábricas da região aprovam PLR

Campanha foi concluída na Parker Hannifin, Trico e Delta

Metalúrgicos da Sonaca rejeitam proposta de PLR
Participação nos lucros

Metalúrgicos da Sonaca rejeitam proposta de PLR

Os trabalhadores reivindicam R$ 2.500, com apenas uma meta: de faltas injustificadas

Contra demissões, Sindicato e trabalhadores da Embraer se reúnem com deputada Sâmia Bonfim
Em defesa dos empregos

Contra demissões, Sindicato e trabalhadores da Embraer se reúnem com deputada Sâmia Bonfim

O encontro virtual faz parte dos esforços para envolver o poder público na luta em defesa dos empregos.

Greve continua: trabalhadores da MWL seguem na luta em defesa dos empregos e direitos
Mobilização

Greve continua: trabalhadores da MWL seguem na luta em defesa dos empregos e direitos

Decisão foi tomada no dia seguinte à suspensão da ordem de despejo que levaria ao fechamento fábrica

Despejo na Wow serve de alerta: é preciso seguir com a luta na MWL
Em defesa dos empregos

Despejo na Wow serve de alerta: é preciso seguir com a luta na MWL

Administrada por um grupo chinês, a empresa do ramo alimentício fechou as portas após sofrer uma ação de despejo.

Assembleia Geral aprova acordos e convenção para mais 2.700 metalúrgicos
Campanha Salarial

Assembleia Geral aprova acordos e convenção para mais 2.700 metalúrgicos

Participaram trabalhadores de 21 fábricas da região

Na luta em defesa dos empregos, demitidos da Embraer buscam apoio de candidatos à Prefeitura
Pelo cancelamento dos cortes

Na luta em defesa dos empregos, demitidos da Embraer buscam apoio de candidatos à Prefeitura

Objetivo é que se comprometam com a defesa dos empregos

Metalúrgicos da MWL encerram ocupação mas permanecem em greve
Mobilização

Metalúrgicos da MWL encerram ocupação mas permanecem em greve

Luta é pela preservação dos empregos e direitos dos trabalhadores

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333