Alerta

Política de Bolsonaro aprofunda desigualdade, afirma Oxfam

O alerta foi feito, nesta segunda-feira (20), em estudo sobre a concentração de renda no mundo.


Desigualdade tem batido recordes no mundo
Desigualdade tem batido recordes no mundo

As medidas econômicas de Jair Bolsonaro são responsáveis pelo aumento da desigualdade entre ricos e pobres no Brasil. O alerta foi feito, nesta segunda-feira (20), pela organização internacional de combate à pobreza Oxfam, em estudo sobre a concentração de renda no mundo.

Para a entidade, “a maioria dos líderes mundiais ainda está perseguindo agendas políticas que conduzem a uma maior distância entre os que têm e os que não têm. Líderes como o presidente Trump nos Estados Unidos e o presidente Bolsonaro no Brasil são exemplos dessa tendência”.

O comunicado ainda critica a postura de Bolsonaro e sua equipe, que obstruem medidas para enfrentar a emergência climática, o racismo, o sexismo e o ódio às minorias. Os cortes de recursos a programas que atuam para reduzir a violência contra as mulheres também foram alvo de crítica. 

A divulgação do estudo ocorre um dia antes do início do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Líderes das principais economias mundiais estarão reunidos, entre 21 e 24 de janeiro, para definir as políticas econômicas do próximo período. 

Abismo social
O documento alerta para o abismo social que tem aumentado no mundo. Nos últimos dez anos, o número de bilionários duplicou. Hoje, essa pequena parcela da população, cerca de duas mil pessoas, detém mais recursos do que 4,6 bilhões de pessoas juntas (60% da população mundial). 

A desigualdade salarial entre homens e mulheres também foi tema do estudo. Segundo a Oxfam, atualmente os 22 homens mais ricos do planeta têm mais riquezas do que a soma de todas as mulheres africanas. 

Além disso, as mulheres têm sofrido mais com o trabalho não remunerado, ou seja, afazeres domésticos e cuidados com a família. Estima-se que em todo o mundo o trabalho doméstico feminino represente 12,5 bilhões de horas diárias, sem que essas trabalhadoras recebam por isso. Se fosse remunerado, todo esse trabalho geraria 10,8 trilhões de dólares por ano. 

“A população já sentiu os efeitos da política de Bolsonaro, que privilegia os ricos e destrói os direitos dos mais pobres. Para mudar esse cenário, é fundamental a luta organizada dos trabalhadores”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Renato Almeida.


Sindicato e MWL têm audiência no TRT nesta terça-feira
Em defesa dos empregos

Sindicato e MWL têm audiência no TRT nesta terça-feira

Encontro é resultado de uma ação movida para que a empresa dê garantias quanto à manutenção dos empregos e direitos

Metalúrgicos de três fábricas da região aprovam PLR
Assembleias

Metalúrgicos de três fábricas da região aprovam PLR

Campanha foi concluída na Parker Hannifin, Trico e Delta

Metalúrgicos da Sonaca rejeitam proposta de PLR
Participação nos lucros

Metalúrgicos da Sonaca rejeitam proposta de PLR

Os trabalhadores reivindicam R$ 2.500, com apenas uma meta: de faltas injustificadas

Contra demissões, Sindicato e trabalhadores da Embraer se reúnem com deputada Sâmia Bonfim
Em defesa dos empregos

Contra demissões, Sindicato e trabalhadores da Embraer se reúnem com deputada Sâmia Bonfim

O encontro virtual faz parte dos esforços para envolver o poder público na luta em defesa dos empregos.

Greve continua: trabalhadores da MWL seguem na luta em defesa dos empregos e direitos
Mobilização

Greve continua: trabalhadores da MWL seguem na luta em defesa dos empregos e direitos

Decisão foi tomada no dia seguinte à suspensão da ordem de despejo que levaria ao fechamento fábrica

Despejo na Wow serve de alerta: é preciso seguir com a luta na MWL
Em defesa dos empregos

Despejo na Wow serve de alerta: é preciso seguir com a luta na MWL

Administrada por um grupo chinês, a empresa do ramo alimentício fechou as portas após sofrer uma ação de despejo.

Assembleia Geral aprova acordos e convenção para mais 2.700 metalúrgicos
Campanha Salarial

Assembleia Geral aprova acordos e convenção para mais 2.700 metalúrgicos

Participaram trabalhadores de 21 fábricas da região

Na luta em defesa dos empregos, demitidos da Embraer buscam apoio de candidatos à Prefeitura
Pelo cancelamento dos cortes

Na luta em defesa dos empregos, demitidos da Embraer buscam apoio de candidatos à Prefeitura

Objetivo é que se comprometam com a defesa dos empregos

Metalúrgicos da MWL encerram ocupação mas permanecem em greve
Mobilização

Metalúrgicos da MWL encerram ocupação mas permanecem em greve

Luta é pela preservação dos empregos e direitos dos trabalhadores

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333