Campanha Salarial

Assembleia Geral aprova reajuste e faz chamado para Dia de Mobilizações

Agora é ir à luta contra a MP 905, criada por Bolsonaro para acabar com direitos trabalhistas

| Atualizado em

Metalúrgicos votam em Assembleia Geral
Metalúrgicos votam em Assembleia Geral - Foto: Roosevelt Cássio

Na última Assembleia Geral da Campanha Salarial 2019, realizada neste sábado (30), os metalúrgicos aprovaram as propostas de reajuste salarial apresentadas pela Assecre (Associação dos Empresários do Chácaras Reunidas) e pelo grupo patronal do setor de materiais não ferrosos (Siamfesp).

Nos dois grupos, os metalúrgicos conseguiram a renovação da Convenção Coletiva para garantia de todos os direitos. Nas fábricas representadas pela Assecre, o reajuste salarial será de 3,5% para 1.400 trabalhadores. Nas representadas pelo Siamfesp, será de 3,28% para cerca de 300 companheiros.

Com isso, já são 20 mil metalúrgicos com acordos e Convenções Coletivas assinadas. Aqueles que não fecharam acordo ainda têm muita luta pela frente, especialmente no setor aeronáutico e Eaton.

Nesta Campanha Salarial, o Sindicato celebrou oito Convenções Coletivas, além dos acordos aprovados na Assecre – o que representa uma grande vitória para a categoria.

“Passamos por um período de ataques pesados vindos do governo e do Congresso Nacional, e mesmo assim conseguimos defender nossos direitos. Ao contrário do que aconteceu na base de outras centrais sindicais, tivemos um ano de importantes mobilizações e foi isso que garantiu nossas conquistas”, disse o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves.

Chamado para o Dia de Mobilizações
Além da Assembleia Geral, também aconteceu a reunião do Conselho de Representantes da categoria. O ponto central das discussões foi um chamado para o Dia Nacional de Mobilizações, nesta quinta-feira (5), contra a Medida Provisória 905/19.

O sociólogo Israel Luz, do Ilaese (Instituto Latino-Americano de Estudos Socioeconômicos), apresentou dados da MP que acaba com direitos dos trabalhadores.

Fazem parte dessa medida, por exemplo, a redução do adicional de periculosidade, liberação do trabalho aos domingos sem hora extra, fim do benefício de acidente de trajeto, menos fiscalização nas empresas, taxação do seguro-desemprego e tantos outros ataques.

“A MP amplia a reforma trabalhista, concretiza os ataques da reforma da Previdência, estimula demissões e incentiva condições de trabalho de péssima qualidade”, avalia Israel.

Assembleias e atos
Entre os dirigentes que se manifestaram no Conselho de Representantes, todos concordaram que a hora de barrar a MP é agora, por meio da luta dos trabalhadores.

O membro da Executiva Nacional da CSP-Conlutas Luiz Carlos Prates, o Mancha, ressaltou as recentes mobilizações em outros países da América Latina, como Chile, Colômbia e Equador, como exemplos a serem seguidos no Brasil.

“Estamos vivendo uma situação dramática. Temos de mostrar toda nossa indignação diante desses crimes que o governo está cometendo contra a classe trabalhadora. Dia 5 será um importante dia de luta”, disse.

Na quinta-feira, haverá assembleias nas fábricas e um ato na Praça Afonso Pena, às 9h. O Sindicato também vai disponibilizar ônibus para São Paulo, onde haverá um ato na Av. Paulista. Os interessados devem se inscrever pelo telefone 3946-5311.

 


Neste sábado tem Assembleia Geral para abrir a Campanha Salarial
Reunião virtual

Neste sábado tem Assembleia Geral para abrir a Campanha Salarial

Pra participar é preciso inscrever-se pelo WhatsApp até sexta-feira

Abertura do comércio por Felício fez disparar novos casos e mortes por covid-19
Pandemia

Abertura do comércio por Felício fez disparar novos casos e mortes por covid-19

4.064 pessoas já tiveram diagnóstico positivo para covid-19

Baixo valor do auxílio emergencial expõe famílias ao coronavírus
Crise do coronavírusus

Baixo valor do auxílio emergencial expõe famílias ao coronavírus

Com quantia irrisória de R$ 600, trabalhador precisou sair de casa para complementar a renda

Sindicato procura ex-trabalhadores da Embraer para recebimento de valores
Direitos

Sindicato procura ex-trabalhadores da Embraer para recebimento de valores

Alguns metalúrgicos ainda não foram localizados e, por isso, não receberam seus direitos

Toda solidariedade aos químicos da TI Brasil
Nota

Toda solidariedade aos químicos da TI Brasil

Fábrica deverá encerrar as atividades até dezembro de 2020

Protesto silencioso denuncia política genocida de Bolsonaro em crise do coronavírus
Em frente a hospital

Protesto silencioso denuncia política genocida de Bolsonaro em crise do coronavírus

Com cruzes nas mãos, recordando os quase 70 mil brasileiros mortos pela covid-19, trabalhadores de várias categorias...

Com mobilizações em fábricas, metalúrgicos exigem: Fora Bolsonaro e Mourão!
Jornada de Lutas

Com mobilizações em fábricas, metalúrgicos exigem: Fora Bolsonaro e Mourão!

Em todas as atividades, o Sindicato adotou protocolos de segurança contra a covid-19

Manifestações pelo Fora Bolsonaro terão atos em fábricas e Hospital Municipal
Jornada de Lutas

Manifestações pelo Fora Bolsonaro terão atos em fábricas e Hospital Municipal

Atividades acontecerão dias 10, 11 e 12

Trabalhador da Embraer é primeira vítima fatal da covid-19 entre metalúrgicos da categoria
Luto

Trabalhador da Embraer é primeira vítima fatal da covid-19 entre metalúrgicos da categoria

Em homenagem à vítima, a entidade realizará um ato na portaria da empresa, nesta quarta, a partir das 15h

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333