Saiu na imprensa

Atendentes de fast food contam lado sombrio da Black Friday

| Atualizado em

Anúncio de gigante do ramo de fast food
Anúncio de gigante do ramo de fast food - Foto: Divulgação

Primeiro, o Burger King oferece 6 sanduíches por 15 reais. O McDonald's contra-ataca com 2 lanches clássicos por 4,90 e 10 cheesebúrgueres a 20 reais. Como se trata de uma batalha, o BK melhora a oferta — agora, são 3 por 5. As redes sociais vibram com a "guerra dos fast foods" na black friday. É o dia de tirar a barriga da miséria.

Mas lanches não se fazem sozinhos. Por trás do balcão, há pessoas sobrecarregadas com a avalanche de pedidos. Ao longo da sexta sombria, os relatos vão surgindo. "Minha gerente já mandou vir com a barriga abastecida. Brecar [parar para descansar e comer], nem pensar", conta uma atendente de rede de fast food. Uma funcionária do Burger King comemora o 13º na conta. Mas ressalva: "Se estivermos vivos depois da black, a gente gasta".

"Somos submetidos a um estresse enorme", conta Tali Morais, que também se apresenta como ex-Mc Donalds. "Alguém não para de gritar 'agilidade, agilidade', os clientes não param de reclamar que o lanche vem de qualquer jeito. Eles querem algo rápido, outras 50 ou mais pessoas também." Bruna Rosa, que se identifica como funcionária BK, desabafa ("Essas promoções absurdas que colocam a gente em situações de extrema humilhação, desequilíbrio emocional, estresse excessivo, pressão psicológica") e brinca com a oferta da concorrência ("Quarterão a 1 real? Olha, gente, que delícia! Aproveitem bastante."). 

Os relatos dos empregados no setor de fast food explicam como funciona a varinha de condão da black friday. O preço, afinal, é o valor que cobre a matéria-prima, despesas fixas (aluguel, água, luz), variáveis (impostos e comissões) — e óbvio, inclui algum lucro. Quando tem promoção, é preciso cortar em alguma linha de custo. Ou, o que dá no mesmo, fazer alguém trabalhar mais, talvez muito mais, para receber a mesma coisa. Para dizer de forma clara: o frenesi consumista só se torna possível pela exploração dos trabalhadores. 

Os que realizam serviços braçais são os mais atingidos. Com o comércio on-line, boa parte desse trabalho fica escondido em galpões longe dos olhos do público. O exemplo da Amazon é emblemático: reportagem publicada pelo site Digilabour, entrevistando o pesquisador Alessandro Delfanti, professor de Cultura e Novas Mídias da Universidade de Toronto, no Canadá, mostra que, para dar conta do ritmo acelerado, a própria empresa incentivaria a rotatividade de pessoal e a demissão após alguns meses de trabalho. 

Não à toa, a gigante das vendas pela web é o alvo específico de protestos contra a Black Friday na França. Como noticia o Le Monde, o imenso centro de logística em Brétigny-sur-Orge amanheceu fechado por manifestantes ambientalistas. No Brasil, não há registro de protestos, mas as manifestações virtuais estão a poucos cliques. No grupo BK da Depressão, trabalhadores postam fotos de filas intermináveis, linhas quilométricas de hambúrgueres na grelha, panelões com bacon frito e reclamações de que o Mercado Pago "já deu pau". Impressiona um pedido para viagem: 180 Big Kings, 100 Whopper Jr. BBQ, 25 Chicken Sandwiches, 40 BK Cheddar Duplos. "Segura essa comanda, já sentava e chorava", diz um comentarista. "Imagem de sofrimento", concorda outro. "Vai trabalhar pra po…, eles nem aumentam o salário ou dão um bônus para quem se matou", resume um terceiro.

É de se perguntar quem precisa almoçar 10 cheeseburgueres ou deglutir três especiais de frango empanado e maionese. No dia mundial de comprar em excesso o que não se necessita, o consumo consciente passa longe. Ao menos um apelo viralizou. "Galera, por favor, em dias assim a carga de estresse e a pressão em cima dos funcionários é muito grande. Então, tenham empatia, sejam educados e compreensivos que pode haver uma demora fora do habitual por conta da grande demanda", diz o texto compartilhado mais de 50 mil vezes no Facebook. Evandro Nery, o autor, se identifica como ex-funcionário do Mc Donalds. E pede: "Tenham respeito ao ser humano que está lá batalhando para ter seu ganha-pão."

Fonte: Blog do jornalista Rodrigo Ratier (UOL)


13º dos metalúrgicos injeta R$ 222 milhões na região
Economia

13º dos metalúrgicos injeta R$ 222 milhões na região

Levantamento inclui as cinco cidades de abrangência do Sindicato

Trabalhadores do setor aeronáutico protestam contra a MP 905
Mobilização

Trabalhadores do setor aeronáutico protestam contra a MP 905

Mobilização integra a Jornada de Lutas por Emprego e Direitos, convocada pelas centrais sindicais

Sindicato alerta clientes da Embraer sobre condições de trabalho na fábrica
Pela renovação de direitos

Sindicato alerta clientes da Embraer sobre condições de trabalho na fábrica

Desde 2018, empresa se recusa a renovar os direitos trabalhistas previstos na CCT

Festival de fim de ano dos metalúrgicos será neste domingo
Não perca!

Festival de fim de ano dos metalúrgicos será neste domingo

Nesta edição, serão sorteados 130 prêmios, incluindo um carro Onix e duas motos

Último Samba Democrático do ano será neste sábado, com Vem pro Meu Mundo
Lazer

Último Samba Democrático do ano será neste sábado, com Vem pro Meu Mundo

Também haverá aulas gratuitas de dança com o grupo Samba Rock

Centrais sindicais iniciam nesta terça Jornada de Lutas por Empregos e Direitos
Contra MP 905

Centrais sindicais iniciam nesta terça Jornada de Lutas por Empregos e Direitos

Em nossa região, atividades estão marcadas para quinta-feira

Empresas de ônibus de São José pedem tarifa de até R$ 6,22
Absurdo

Empresas de ônibus de São José pedem tarifa de até R$ 6,22

As empresas que operam no transporte público de São José dos Campos solicitaram ao governo Felicio Ramuth (PSDB) um...

Metalúrgicos protestam contra MP 905 e cortes de direitos
Dia Nacional de Mobilizações

Metalúrgicos protestam contra MP 905 e cortes de direitos

Protestos foram convocados pela CSP-Conlutas em todo o país

Cartilha explica como MP 905 afeta os direitos dos trabalhadores
Publicação

Cartilha explica como MP 905 afeta os direitos dos trabalhadores

Material foi distribuído nas fábricas da região e no centro da cidade

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333