Coronavírus

Governo planeja castigar pobres com redução do auxílio emergencial

Ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a redução do auxílio de R$ 600 para R$ 200


Bolsonaro e Paulo Guedes
Bolsonaro e Paulo Guedes

Enquanto milhões de brasileiros necessitados sequer receberam a primeira parcela do auxílio emergencial, o governo Bolsonaro já pensa em reduzir o benefício. 

Em reunião com empresários na terça-feira (19), o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a redução do auxílio de R$ 600 para R$ 200. A mudança viria após o pagamento da terceira parcela. Uma medida desumana, diante do caos vivido pela população mais pobre.

Criado como forma de ajuda àqueles que perderam a renda em razão da pandemia do novo coronavírus, o auxílio emergencial já tem um valor insuficiente para cumprir seu papel. A redução vai aprofundar ainda mais a situação de necessidade dessas famílias. 

O benefício foi criado para durar três meses, mas um projeto de lei na Câmara dos Deputados prevê a extensão do período de pagamento. Diante dessa possibilidade, o ministro Paulo Guedes deixou claro que a ampliação só será aprovada caso haja a redução. “Se voltar para R$ 200, quem sabe não dá para estender um mês ou dois? R$ 600 não dá”, disse o ministro ao empresariado. 

Cerca de 60 milhões de pessoas dependem do auxílio-emergencial. No entanto, estima-se que esse número pode ultrapassar a marca dos 100 milhões, devido aos efeitos econômicos provocados pela epidemia. 

Com a alta taxa de trabalhadores informais (mais de 40 milhões) e o aumento do desemprego, muitas famílias ficaram sem renda da noite para o dia. A justificativa de Guedes para abandonar a população à própria sorte é a falta de recursos.

O que a equipe econômica de Bolsonaro não conta é que, em abril, deixou de receber R$ 4,1 bilhões dos quatro maiores bancos do país -  dinheiro que poderia ser usado em benefício da população.

Isso porque o governo reduziu de 20% para 15% a alíquota de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). O imposto incide sobre o lucro das instituições financeiras em 2019, calculado em R$ 81,5 bilhões.

O cenário deixa claro que a saúde financeira dos banqueiros é a maior preocupação de Bolsonaro e Guedes. Enquanto isso, o povo é obrigado a enfrentar filas, desorganização e a burocracia governamental para receber uma quantia insuficiente para sua sobrevivência. 

“O governo Bolsonaro tem sido cruel com os trabalhadores desde o início da pandemia. É preciso dar um basta nessa gestão genocida e exigir a saída de Bolsonaro imediatamente. Temos de garantir a dignidade do povo mais pobre, e este governo não nos serve”, afirma o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves.


População negra e pobre é a mais afetada pela covid-19
Crise do coronavírus

População negra e pobre é a mais afetada pela covid-19

Dados apontam que em bairros mais pobres a contaminação pelo coronavírus chega a ser 2,5 vezes maior

Com greve nacional, entregadores denunciam precarização do trabalho
Breque dos apps

Com greve nacional, entregadores denunciam precarização do trabalho

Foram registradas mobilizações em pelo menos 13 capitais e no Distrito Federal

Metalúrgicos da Panasonic definem reivindicações de PLR e reajuste salarial
Participação nos lucros

Metalúrgicos da Panasonic definem reivindicações de PLR e reajuste salarial

Negociações entre empresa e Sindicato continuam

Proposta de PLR da Prolind e Movent é rejeitada pela segunda vez
Decisão dos trabalhadores

Proposta de PLR da Prolind e Movent é rejeitada pela segunda vez

Empresas também querem empurrar zero de aumento real na Campanha Salarial

Ações contra perda do FGTS
ATENÇÃO

Ações contra perda do FGTS

Muitas informações estão circulando nas redes sociais sobre as ações contra as perdas no Fundo de Garantia por Tempo...

Maioria dos que recebem auxílio emergencial reprova Bolsonaro na pandemia
Crise do coronavírusus

Maioria dos que recebem auxílio emergencial reprova Bolsonaro na pandemia

49% classificam a atuação do presidente como ruim ou péssima

Metalúrgicos vão à luta e exigem abertura das negociações da PLR 2020
Mobilização

Metalúrgicos vão à luta e exigem abertura das negociações da PLR 2020

Fábricas seguem produzindo normalmente e devem pagar o benefício

Homem de 61 anos é resgatado em trabalho análogo à escravidão em São José dos Campos
Trabalho escravo

Homem de 61 anos é resgatado em trabalho análogo à escravidão em São José dos Campos

Trabalhador realizava manejo de gado leiteiro desde 2005 sem salários e folgas

Ministro do STF suspende ações trabalhistas e prejudica milhões de trabalhadores
Seus direitos

Ministro do STF suspende ações trabalhistas e prejudica milhões de trabalhadores

Decisão de Gilmar Mendes pode paralisar Justiça do Trabalho

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP
Telefone: (12) 3946-5333