Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Imprensa / Últimas Notícias

Reforma da Previdência 12/02/2019 | 14:23

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • RSS
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Governo quer 40 anos de contribuição para aposentadoria integral

A estimativa é que Bolsonaro deverá aprovar na próxima semana o texto a ser enviado ao Congresso Nacional.

Se depender da reforma da Previdência, o benefício integral da aposentadoria praticamente deixará de existir. Isso porque a equipe do presidente Jair Bolsonaro (PSL) planeja estabelecer o prazo de 40 anos de contribuição ao INSS para que o trabalhador receba o valor na íntegra.

A imprensa teve acesso a um documento que detalha como poderá ser a lei da aposentadoria após a reforma. O novo tempo de contribuição seria aplicado a todos os trabalhadores que receberam mais de um salário mínimo durante o tempo na ativa. Além disso, o governo quer estabelecer a idade mínima de 65 anos para que o trabalhador tenha direito a se aposentar.

A estimativa é que Bolsonaro deverá aprovar na próxima semana o texto a ser enviado ao Congresso Nacional.

A reforma também deve estabelecer o tempo mínimo de contribuição de 25 anos. Neste caso, o benefício seria equivalente a 60% da média dos salários recebidos durante o período de contribuição junto ao INSS. O valor da aposentadoria aumentaria dois pontos percentuais por cada ano pago à Previdência Social até chegar aos 100%.

Atualmente, o trabalhador pode se aposentar por idade (65 anos para homens e 60 para mulheres), por tempo de contribuição (35 anos) ou pelo Fator Previdenciário, que realiza um cálculo levando-se em conta esses dois fatores.

Benefícios para o patrão
Enquanto tenta dificultar o acesso do trabalhador à aposentadoria integral, a equipe econômica do governo estuda como reduzir a contribuição das empresas ao INSS. O plano é acabar com a cobrança de 20% do total da folha de pagamento e instaurar um novo imposto sobre faturamento ou movimentação financeira.

É bom lembrar que os patrões já não cumprem a lei atual e são os maiores devedores da Previdência Social. Segundo a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a dívida das grandes empresas com o INSS já está em R$ 426 bilhões.

“Se for aprovado pelo Congresso Nacional, este será mais um duro ataque à população. Toda sociedade tem de repudiar essas alterações na lei da aposentadoria. No dia 20, vamos todos à Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora para protestar contra a reforma da Previdência”, afirma o vice-presidente do Sindicato, Renato Almeida.

A assembleia acontecerá na Praça da Sé, em São Paulo, e está sendo convocada pelas centrais sindicais. Uma caravana sairá do nosso Sindicato, dia 20, às 7h. Para garantir uma vaga nos ônibus, basta se inscrever pelos telefones (12) 3946-5306, 99682-6630 ou 98219-9524.

Conteúdo Relacionado

Veja mais Notícias



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®