Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Imprensa / Últimas Notícias

Combate à perseguição 20/11/2017 | 09:31

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • RSS
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Reintegração de diretor sindical na GM é vitória da categoria e da classe trabalhadora

Autoritarismo da montadora chamou a atenção de organizações nacionais e internacionais

A reintegração do diretor sindical Célio Dias da Silva, o Celião, foi uma importante conquista de toda categoria e da classe trabalhadora. Ele havia sido demitido pela General Motors, em agosto, e reintegrado depois de muita pressão.

A demissão do dirigente foi um grave ataque ao direito de organização sindical eocorreu justamente em meio às mobilizações da Campanha Salarial e contra a reforma trabalhista, conduzidas pelo Sindicato e com ampla participação do diretor Celião.

Ficou evidente que a GM criou esta situação para proibir o Sindicato de prosseguir com as assembleias no pátio da fábrica e entregar os jornais da categoria para os metalúrgicos. Até agora, nenhuma acusação contra Celião foi comprovada.

O autoritarismo praticado pela GM chamou a atenção inclusive de outras entidades sindicais nacionais e internacionais (Estados Unidos, Europa e Oriente Médio), que enviaram centenas de moções de apoio à campanha pela reintegração e exigindo o respeito à livre organização dos trabalhadores. Uma dessas entidades foi o UAW, sindicato dos trabalhadores metalúrgicos de montadoras nos Estados Unidos.

Dirigentes do UAW fizeram uma cobrança direta à sede mundial da General Motors para que Celião fosse reintegrado. Eles estiveram duas vezes em São José dos Campos para apoiar a luta do Sindicato pela reintegração.

Esta também foi uma das reivindicações da Campanha Salarial na montadora, que terminou por ceder. O diretor foi reintegrado, mas exercerá suas funções sindicais fora da fábrica.

Além de Celião, a GM suspendeu por 15 dias o diretor sindical Alex da Silva, o Cabelo, e demitiu o cipeiro Sérgio Luiz das Dores. O Sindicato vai buscar na Justiça os direitos do companheiro Cabelo. Já Sérgio, que tinha estabilidade, foi indenizado pela GM e teve a justa causa cancelada.

“Com a perseguição aos companheiros, a GM tentou fragilizar a organização sindical. Celião, Cabelo e Sérgio sempre atuaram em defesa dos direitos trabalhistas e, por isso, entraram na mira da montadora. Mas os metalúrgicos e o movimento sindical mostraram que não aceitam essa arbitrariedade. Quero agradecer a todas as entidades que apoiaram nossa campanha. Este apoio foi decisivo para nossa vitória”, afirma o presidente do Sindicato, Antônio Ferreira de Barros, o Macapá.

Solidariedade
Assim como o UAW, também enviaram moções de solidariedade o Movimento Brasil Metalúrgico, Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais, Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM), a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Sindicato dos Químicos de Vinhedo, Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasef), Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Estado de São Paulo (Sintrajud), Rede internacional de Solidariedade, entre outros.

Conteúdo Relacionado

Veja mais Notícias



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®