Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Imprensa / Últimas Notícias

Basta de violência 23/11/2015 | 11:20

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • RSS
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Ato contra racismo e machismo exige saída de Eduardo Cunha

Projeto de lei 5069 do presidente da Câmara foi um dos alvos da manifestação

A luta de Zumbi, Dandara, Luíza Mahrin e tantos outros que resistiram contra o racismo e o machismo foi lembrada neste sábado (21) no ato da Consciência Negra e contra a violência às mulheres. A manifestação aconteceu na Praça Afonso Pena e contou com a presença de ativistas de diversas categorias da região.

O ato marcou o Dia da Consciência Negra (20) e o Dia Internacional da Não-violência à Mulher (25) e denunciou que o racismo e o machismo ainda são os responsáveis por um grande número de mortes no Brasil.

Nem a chuva fina e insistente que caía durante a manhã espantou os manifestantes. Com faixas e cartazes, eles lembraram casos chocantes de violência física, sexual e assassinato de mulheres. Também pediram o “Fora Cunha”, engrossando o couro de manifestações que acontecem em todo país contra o presidente da Câmara Federal . O deputado Eduardo Cunha (PMDB) é autor de diversos projetos de lei que fortalecem o racismo e o machismo no país.

Dentre os projetos apresentados por Eduardo Cunha e repudiados durante o ato está o PL 5069, que vai dificultar o acesso das vítimas de estupro ao aborto legal e seguro, que hoje é permitido por lei.

“Nos últimos anos, vimos a violência contra as mulheres crescer no Brasil, sobretudo contra as negras. Ao invés de fazer valer a Lei Maria da Penha e investir no combate e punição contra o machismo, a proposta do deputado é praticamente punir as mulheres pelo estupro, ao dificultar o direito de interromper uma gravidez que é fruto de uma violência”, afirmou Janaína dos Reis, do MML (Movimento Mulheres em Luta).

O ato também pediu o arquivamento do projeto de lei que reduz a maioridade penal e o fim da violência policial, que todos dias vitima jovens da periferia.

Basta de Dilma e oposição de direita
A presidente Dilma e os parlamentares do PT, PMDB e PSDB também não escaparam das críticas. Os trabalhadores negros e as mulheres são os que mais sofrem com o ajuste fiscal aplicado pelo governo com apoio da oposição de direita, que vem provocando desemprego, arrocho salarial e retirada de direitos.

Participaram da manifestação metalúrgicos, químicos, trabalhadores dos Correios, da alimentação, aposentados, professores e estudantes, com destaque para os alunos da escola Major Miguel Naked, que ocupam o colégio desde o dia 18 contra a proposta do governador Geraldo Alckmin (PSDB) de fechar escolas e salas de aula em todo estado.

O ato foi organizado pelo Fórum de Lutas do Vale do Paraíba, que reúne sindicatos e movimentos sociais da região, como o Movimento Mulheres em Luta e o Quilombo Raça e Classe.


Fotos: Tanda Melo

 

Conteúdo Relacionado

Veja mais Notícias



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®