Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Imprensa / Últimas Notícias

Violência contra a mulher 25/11/2014 | 09:06

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • RSS
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Uma mulher é agredida a cada 12 horas em São José

A Delegacia de Defesa da Mulher de São José já contabiliza 749 queixas de lesões corporal em 2014

Dados divulgados no jornal O Vale deste domingo, dia 23, revelaram que, entre janeiro e outubro deste ano, pelo menos duas denúncias de agressões contra mulheres foram feitas por dia na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de São José dos Campos.

Foram, ao todo, 749 queixas de lesão corporal e 1.104 de ameaças nos primeiros dez meses deste ano. Os números são menores do que os registrados no mesmo período do ano passado (1.018 denúncias de lesão corporal e 1.107 de ameaças), mas a situação ainda é alarmante.

Infelizmente, esta não é uma realidade apenas da nossa região. No Brasil, entre 1980 e 2010, 91 mil mulheres foram assassinadas. Com isso, ocupamos a 7ª posição, entre 84 países, em relação aos elevados índices de homicídios de mulheres. Na prática, a cada uma hora e meia, uma mulher é assassinada.

As mulheres que mais morrem são as jovens e negras trabalhadoras, que vivem nas regiões mais pobres do país.

Uma parte desse problema se deve ao fato de que não há investimento real para que a Lei Maria da Penha seja de fato aplicada. Em oito anos de existência da lei, não houve redução na média dos assassinatos de mulheres.

O governo Dilma, apesar de manter um discurso de combate à violência, na prática, fez sucessivos cortes nos investimentos destinados a esse fim. No orçamento de 2013, foram investidos apenas R$ 151 milhões para combater a violência, enquanto se gastou cerca de R$ 718 bilhões com o pagamento das dívidas externa e interna. Isso demonstra que o combate à violência contra a mulher não é prioridade para este governo.

25 de novembro é dia de luta
O dia 25 de novembro foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1999 como o Dia Internacional pela Não-Violência à Mulher. Esta é uma data de luta das mulheres trabalhadoras, contra a violência que sofrem diariamente e para que os seus agressores sejam de fato punidos.

Por isso, no último dia 22, o Seminário Nacional do Movimento Mulheres em Luta (MML), realizado em São Paulo (SP), lançou uma campanha para exigir do governo medidas e investimentos concretos para aplicação e ampliação da Lei Maria da Penha.

“O combate à violência contra a mulher é urgente, os agressores precisam ser punidos e as vítimas assistidas. Por isso, é necessário investir, no minímo, 1% do PIB no combate à violência machista. Isso possibilitaria a construção e a manutenção de centros de referência bem equipados, casas abrigo e grandes campanhas de combate ao machismo. Além disso, defendemos que as trabalhadoras vítimas de violência sejam remuneradas no período em que estiverem sob assistência”, afirmou a diretora do Sindicato Rosângela Calzavara.

Conteúdo Relacionado

Veja mais Notícias



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®