Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal o Metalúrgico em Família

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 67 | Dezembro de 2012

Governo Dilma

Com medidas do governo de estímulo à economia, só empresários ganham

Redução de impostos tem garantido lucros de empresas, mas não surte o mesmo efeito para o emprego dos trabalhadores

Desde que assumiu o poder, a presidente Dilma Rousseff tem presenteado as indústrias com generosos benefícios fiscais que já custaram ao país, pelo menos, R$ 190 bilhões. Somente em 2012, foram cerca de R$ 63 bilhões.

Esse dinheiro, que poderia ser usado em benefício da população em áreas como saúde, educação ou moradia, representa o que o governo deixou de arrecadar por conta da redução de impostos do setor industrial.

Já para a população, sobrou um corte de R$ 55 bilhões no orçamento. Podemos citar dois exemplos de como o governo tirou do povo para beneficiar os empresários:

Desoneração da folha de pagamento - Para atender à pressão dos empresários, o governo federal reduziu os impostos sobre a folha de pagamento para 15 setores da economia. Agora, em vez de pagar 20% sobre a folha, as empresas passam a recolher, no máximo, 2% sobre o faturamento. A medida já tirou R$ 20 bilhões dos cofres públicos. Em 2013, a desoneração será estendida a outros setores.

Redução de IPI - As montadoras de veículos prevêem encerrar o ano com um crescimento de 6% nas vendas. O custo desse crescimento, entretanto, será bastante alto aos brasileiros.

Para que as gigantes do setor automotivo tivessem seus lucros garantidos, o governo federal abriu mão de mais de R$ 4 bilhões em IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), só no período de maio a dezembro deste ano.

Em nossa região, tivemos um duro exemplo de que a redução de impostos não beneficia os trabalhadores. Apesar da ajuda recebida do governo, a GM quer colocar na rua 1.840 metalúrgicos (leia mais sobre a GM na pág. 9).




Querem reduzir direitos dos trabalhadores
Se por um lado, o governo federal move mundos e fundos para ajudar os empresários, por outro fecha os olhos para as manobras prejudiciais aos trabalhadores.

Este ano, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, filiado à CUT e aliado do governo federal, preparou um anteprojeto de lei que abre caminho para a redução de direitos. É o chamado Acordo Coletivo Especial (ACE).

Pelo projeto, patrões e sindicatos podem reduzir e até retirar direitos já conquistados, inclusive os que estão na CLT, a legislação trabalhista. Uma negociação pode, por exemplo, acabar com o 13º salário, o FGTS e o pagamento de 1/3 das férias; parcelar a PLR em 12 meses; entre outros ataques.

Para que entre em vigor, o projeto tem de ser aprovado pelo Congresso Nacional. Por isso, diversas entidades, inclusive o Sindicato e a CSP-Conlutas, iniciaram este ano uma campanha nacional contra o ACE e já programam uma Marcha para 2013.



Mensalão comprou Reforma da Previdência
Os brasileiros vêm assistindo, nos últimos meses, aos desdobramentos jurídicos relativos ao “Mensalão”, prática do governo Lula para compra de votos de parlamentares, com uso de dinheiro público.

O Supremo Tribunal Federal (STF) já determinou a pena dos envolvidos no escândalo, mas a história não pode acabar aí. A pergunta é: o que deve acontecer com as leis aprovadas com dinheiro do mensalão, como a Reforma da Previdência, por exemplo?

A Reforma, aprovada em 2003, acabou com o direito à aposentadoria integral para os servidores públicos e instituiu a previdência privada. Com a mudança, estima-se que R$ 50 bilhões tenham sido transferidos dos cofres públicos para fundos de pensão controlados por bancos, apenas no primeiro ano da nova regra. A CSP-Conlutas e o Sindicato defendem a anulação da reforma.

Expediente

Órgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá. Rua Maurício Diamante, 65 - CEP: 12209-570 - Tel.: (12) 3946.5333 - Fax: (12) 3922.4775, São José dos Campos (SP). Site: www.sindmetalsjc.org.br. E-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br - Presidente do Sindicato: Antônio Ferreira de Barros (Macapá) - Diretoria Executiva: Herbert Claros da Silva, Adilson dos Santos, Edson Alves da Cruz, Luiz Carlos Prates (Mancha), José Dantas Sobrinho, Rosângela Calzavara, José Donizetti de Almeida, Lauro Claudino Nunes, Valmir Diniz Ferreira - Diretoria Efetiva: Ademir Tavares de Paixão, Adilson Carlos do Prado, André Parra de Oliveira, Camilo Lélis Lopes, Célio Dias da Silva, Eduardo de O. Silva Carneiro, Edmir Marcolino da Silva, Eliane dos Santos, Elias Osses, Edilson dos Santos, Geraldo de Jesus Santos, Geovane José de Freitas, Ivan Cardoso de Souza, Jesu Donizeti de Souza, José Carlos Fagundes, Nei dos Reis, Nilson Ferreira Leite, Paulo Roberto Serafim, Renato Junio de Almeida, Rinaldo Fernando Silveira, Roberto Rosa de Oliveira, Rogério Williams de Oliveira, Sebastião Francisco Ribeiro, Valmir Mariano da Silva, Vinícius Faria, Wagner Moraes de Oliveira - Conselho Fiscal: José Francisco Sales, João Batista Arruda, Marcelo Eduardo da Costa, André Luiz Gonçalves, Emerson de Lima, José Donizetti de Almeida - Responsabilidade da publicação: Diretoria do Sindicato - Edição: Ana Cristina da Silva. Redação: Douglas Dias, Shirley Rodrigues e Manuela Moraes - Editoração Eletrônica e Ilustração: Bruno César Galvão Impressão: Jornal Diário da Região - CNPJ 07.351.093/0001-48

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®