Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal o Metalúrgico em Família

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 67 | Dezembro de 2012

Defesa do emprego

GM impõe plano de demissão em massa, mas metalúrgicos resistem

Montadora insiste em cortar 1.840 funcionários, apesar de vendas em alta e incentivos do governo

Demissões conta-gotas
GM começa o ano com demissões conta-gotas. Os cortes atingem, principalmente, os trabalhadores mais antigos e os lesionados. A medida acontece no período em que a montadora bate recordes de vendas. No dia 30 de janeiro, os metalúrgicos exigem, em assembleia, o fim das demissões.


Lesionados
A demissão ilegal de lesionados, que têm estabilidade garantida no Acordo Coletivo, é denunciada ao Ministério Público do Trabalho e objeto de uma Ação Civil Pública movida pelo Sindicato. O MPT contesta as demissões e as considera irregulares. Até novembro, 14 trabalhadores da GM foram reintegrados pela Justiça. O assunto também foi discutido, pelo Sindicato, em Audiência Pública no Senado.


Morte na GM
Com menos trabalhadores na fábrica, aumenta o ritmo de produção e o número de acidentes. O trabalhador Antonio Teodoro Pereira Filho, 59 anos de idade e 32 de GM, morreu em um acidente, ocorrido no dia 24 de março, quando fazia hora extra. Um protesto parou a GM por quatro horas. A Secretaria de Segurança Pública concluiu que o acidente foi causado por falta de equipamento de segurança.



Cobrança ao poder público
As demissões levaram o Sindicato a procurar os governos federal, estadual e municipal para que pressionassem a GM. Em maio, o Sindicato falou com o prefeito Eduardo Cury e com o ministro do Trabalho, Brizola Neto. Em agosto, a conversa foi direta com o governador Geraldo Alckmin. Também levamos o assunto à Secretaria Geral da Presidência da República e ao Ministério do Desenvolvimento. Com a eleição de Carlinhos (PT), queremos que o novo prefeito intervenha para impedir as demissões.



Campanha Nacional em Defesa do Emprego
Em junho, a GM abre o 3º turno do setor S10, mas, em vez de contratar mais trabalhadores, abre o PDV e anuncia o fechamento do 2º turno do MVA. Não havia mais dúvidas de que a montadora estava se preparando para realizar demissões em massa, com o objetivo de aumentar seus lucros. O Sindicato dá início, então, a uma Campanha Nacional em Defesa dos Empregos. No dia 2 de julho, os trabalhadores aprovam um plano de lutas contra o fechamento do MVA.



Mobilizações ganham as ruas
A indignação tomou conta dos trabalhadores. Começaram, então, as grandes mobilizações. No dia 5 de julho, cerca de 2.500 metalúrgicos saíram em passeata, pela avenida da GM. Dez dias depois, foi deflagrada uma greve de 24 horas. O Sindicato espalhou outdoors pelas ruas da cidade, veiculou anúncios em rádios e TVs e distribuiu cartas à população. Mas nada se comparou à grande manifestação do dia 2 de agosto. Os trabalhadores ocuparam a Via Dutra, por mais de uma hora. Nas faixas carregadas pelos trabalhadores, um duro recado ao governo federal: “Ministro Guido Mantega, cale a boca”, em referência à declaração de Mantega de que o governo federal não iria interferir nas demissões. A própria presidente Dilma se manifestou, em Londres, dizendo que o governo dá incentivos às empresas para que elas garantam empregos. Em novembro, o Sindicato realizou uma Reunião Internacional, com dirigentes sindicais que trabalham em plantas da GM na Colômbia, Espanha e Alemanha. No encontro, os trabalhadores decidiram fortalecer a unidade e a luta internacional contra os ataques da montadora.


Acordo suspende demissões
Após uma reunião que durou nove horas, no dia 4 de agosto, GM e Sindicato chegam a um acordo que suspendeu as 1.840 demissões previstas. Parte da produção do Classic continuaria em São José, garantindo 900 empregos. Outros 914 trabalhadores foram colocados em layoff. O acordo termina no dia 26 de janeiro. Até lá, muita luta ainda vai rolar!

Expediente

Órgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá. Rua Maurício Diamante, 65 - CEP: 12209-570 - Tel.: (12) 3946.5333 - Fax: (12) 3922.4775, São José dos Campos (SP). Site: www.sindmetalsjc.org.br. E-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br - Presidente do Sindicato: Antônio Ferreira de Barros (Macapá) - Diretoria Executiva: Herbert Claros da Silva, Adilson dos Santos, Edson Alves da Cruz, Luiz Carlos Prates (Mancha), José Dantas Sobrinho, Rosângela Calzavara, José Donizetti de Almeida, Lauro Claudino Nunes, Valmir Diniz Ferreira - Diretoria Efetiva: Ademir Tavares de Paixão, Adilson Carlos do Prado, André Parra de Oliveira, Camilo Lélis Lopes, Célio Dias da Silva, Eduardo de O. Silva Carneiro, Edmir Marcolino da Silva, Eliane dos Santos, Elias Osses, Edilson dos Santos, Geraldo de Jesus Santos, Geovane José de Freitas, Ivan Cardoso de Souza, Jesu Donizeti de Souza, José Carlos Fagundes, Nei dos Reis, Nilson Ferreira Leite, Paulo Roberto Serafim, Renato Junio de Almeida, Rinaldo Fernando Silveira, Roberto Rosa de Oliveira, Rogério Williams de Oliveira, Sebastião Francisco Ribeiro, Valmir Mariano da Silva, Vinícius Faria, Wagner Moraes de Oliveira - Conselho Fiscal: José Francisco Sales, João Batista Arruda, Marcelo Eduardo da Costa, André Luiz Gonçalves, Emerson de Lima, José Donizetti de Almeida - Responsabilidade da publicação: Diretoria do Sindicato - Edição: Ana Cristina da Silva. Redação: Douglas Dias, Shirley Rodrigues e Manuela Moraes - Editoração Eletrônica e Ilustração: Bruno César Galvão Impressão: Jornal Diário da Região - CNPJ 07.351.093/0001-48

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®