Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal o Metalúrgico em Família

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 64 | Outubro de 2011

Política do governo

Metade do que é gasto no País vai para o pagamento da Dívida Pública

Dinheiro que deveria ir para saúde, educação, saneamento básico e outras necessidades da população vai pelo ralo

O governo gosta de repetir a ladainha de que não há dinheiro. No discurso oficial, falta verba para a educação, para aumentar efetivamente o salário mínimo e recuperar as perdas dos aposentados e pensionistas.

Atualmente, uma grande discussão ocorre em torno da aprovação da Emenda 29, que prevê mais recursos à saúde. O governo Dilma faz chantagem, diz que não há verbas e que será preciso até criar um novo imposto se o projeto for aprovado.

A verdade, no entanto, é que há muito dinheiro. O que acontece é que, ano a ano, bilhões de reais acabam escorrendo pelo ralo da dívida pública (dívidas interna e externa).

Este ano, por exemplo, o governo destinou R$ 954 bilhões para o pagamento da dívida, o que representa quase a metade (49,15%) de todo o Orçamento Federal.

É uma montanha de dinheiro, que enche os bolsos de banqueiros daqui e do exterior.

O pior é que a dívida é um saco sem fundo. Já foi paga várias vezes.

No governo Lula foram pagos R$ 2 trilhões da dívida interna aos banqueiros, valor muito superior ao pago por FHC (R$ 1,23 trilhão).

Hoje, a mesma dívida interna ultrapassou os R$ 2 trilhões. Ou seja, o governo pagou com juros e amortizações um valor maior que a própria dívida.

Corte no social - O ralo da dívida faz com que os investimentos em saúde, educação, habitação, reforma agrária e outros fiquem espremidos.

O Orçamento consolidado de 2010 mostra isso (veja no gráfico abaixo). Em 2010, 44,93% foram para a dívida. Saúde ficou com apenas 3,91% do bolo e educação, míseros 2,89%.

É vergonhoso! O gasto da dívida foi 11 vezes maior do que os recursos aplicados em saúde e 15 vezes maior aos investimentos em educação.

Os governos Lula e Dilma dizem de boca cheia que defendem os trabalhadores pobres. O Bolsa Família, apresentado como carro-chefe dos programas sociais, tem uma verba em 2011 (R$ 13,9 bi) que é 68 vezes menor em relação ao montante reservado para sugadores de nossas riquezas.

É a prova de que o programa que Lula e Dilma promovem, na verdade, é o Bolsa Banqueiro.


Mas não pagamos a dívida com o FMI?

Um mito muito divulgado pelo governo Lula foi de que o país havia quitado a dívida externa com o FMI. A verdade é que isso não passou de uma farsa.

Em 2005, o Brasil pagou antecipadamente a dívida com o FMI mediante a emissão de novas dívidas interna e externa com juros ainda maiores dos que eram pagos até então. Um péssimo negócio. Um crime lesa pátria, é bem verdade!

“Não pagamos a dívida. Ela simplesmente mudou de mãos e em condições mais onerosas”, disse a coordenadora da Auditoria da Dívida Cidadã, Maria Lúcia Fattorelli.

Para o dirigente nacional da CSP-Conlutas Atnágoras Lopes, é preciso parar de pagar a Dívida. “Falam que se não pagarmos a dívida, haveria um caos. Mas não já vivemos num caos em termos de saúde, educação e moradia?”, questionou.

“O caminho é parar de pagar uma dívida, que já foi quitada há muito tempo, para resolver os problemas que castigam os brasileiros”, afirmou.


 

Expediente

Órgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá. Rua Maurício Diamante, 65 - CEP: 12209-570 - Tel.: (12) 3946.5333 - Fax: (12) 3922.4775, São José dos Campos (SP). Site: www.sindmetalsjc.org.br. E-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br - Presidente do Sindicato: Vivaldo Moreira Araújo - Diretoria Executiva: Herbert Claros da Silva, Adilson dos Santos, Luiz Carlos Prates, José Gonçalves Mendonça, José Donizetti de Almeida - Diretoria Efetiva: Adilson Carlos do Prado, Ananias Francisco Santos, André Luis Gonçalves, Antonio Ferreira de Barros, Camilo Lélis Lopes, Célio Eduardo Silveira, Clóvis Fernandes de Sousa, Edson Alves Cruz, Eduardo de O. S. Carneiro, Eliane dos Santos, Geraldo de Jesus Santos, Ivan Cardoso de Souza, Jésu Donizetti de Souza, João Batista Arruda, José Francisco Sales, Keila Mendes Costa, Luciano de Oliveira Valle, Luciano Macedo César, Renato Bento Luiz, Rilma Maria da Silva, Rinaldo Fernando Silveira, Rogério Willians de Oliveira, Sebastião Francisco Ribeiro, Silvio Peninck de Oliveira, Valdir Martins de Souza, Valmir Diniz Ferreira, Vinícius Faria - Conselho Fiscal: Edmir Marcolino da Silva, José Dantas Sobrinho, Lauro Claudino Nunes, Ademir Tavares da Paixão, José Carlos de Lima, Rosângela de Souza Calzavara - Responsabilidade da publicação: Diretoria do Sindicato - Edição: Ana Cristina da Silva. Redação: Douglas Dias, Eliane Mendonça, Rodrigo Correia, Shirley Rodrigues - Editoração Eletrônica e Ilustração: Bruno César Galvão Impressão: Jornal Diário da Região - CNPJ 07.351.093/0001-48

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®