Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal o Metalúrgico em Família

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 64 | Outubro de 2011

Televisão

Programa ultrapassa o limite do humor e banaliza assédio sexual contra mulheres

As personagens Valéria e Janete levam graça ao Metrô Zorra Brasil, mas se esquecem da dureza da vida real

Todo sábado à noite, uma passageira de metrô passa por todo tipo de dificuldades: enfrenta os vagões lotados, é chamada de babuína e, ainda por cima, é bolinada por desconhecidos.

Apesar da situação nada agradável, essa passageira está sempre feliz e até fica orgulhosa por se sentir desejada por aqueles homens do metrô.

A passageira em questão é Janete, a amiga da transexual Valéria. Elas são integrantes do quadro Metrô Zorra Brasil, do humorístico Zorra Total, exibido pela TV Globo.

Os atores Rodrigo Sant´anna e Thalita Carauta ganharam a simpatia do público ao viverem a dupla Valéria e Janete, personagens que retratam com humor uma transexual bem resolvida e uma mulher que, a cada viagem, é assediada por homens.

A história rende piadas que, à primeira vista, podem parecer engraçadas. Mas não dá pra fingir que elas são apenas isso.

A personagem Janete repete a história de milhares de mulheres que diariamente convivem com assédios sexuais nos vagões de metrô e ônibus. Só que, na vida real, isso não tem a menor graça.

A psicóloga Roseli Goffmann, integrante do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, não tem dúvidas de que o quadro trata as mulheres de forma machista. “O programa mostra que as mulheres feias têm de se sentir felizes ao serem dominadas. Isso é absurdo”, afirma Roseli. Ela se refere às repetidas vezes em que Valéria aconselha Janete a “aproveitar” as investidas masculinas, já que, por ser feia, não conseguiria nada melhor.

Num dos programas, ao ver Janete sendo assediada, Valéria diz: “para querer esse bucho, só Jesus. Aproveita que ele é caridoso”.

Para a socióloga Wânia Pasinato, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, as personagens tratam de maneira repulsiva um assunto de extrema gravidade.

“A situação retratada reforça a ideia de que, se o assédio acontecer, a mulher tem de aceitar, que a mulher está ali para servir aos desejos masculinos. Lutamos há tantos anos pelos direitos da mulher, conseguimos tantos avanços, e ainda temos de lidar com esse tipo de comportamento? É inadmissível”, afirma.

Metroviários
O quadro também provocou a indignação do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que distribuiu uma carta à população, pedindo o fim do quadro. A carta relata o caso de uma trabalhadora violentada em um dos vagões do metrô de São Paulo. O agressor fugiu, e a passageira transformou-se em estatística. Foi o 44º caso registrado este ano.
 

MP investiga Rafinha por piada machista



O mesmo tipo de humor machista também é explorado pelo comediante Rafinha Bastos, do CQC. Em uma de suas apresentações stand up, Rafinha soltou a seguinte piada: “Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia... Tá reclamando do quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade. Homem que fez isso não merece cadeia, merece um abraço”. O mau gosto da piada rendeu uma investigação por parte do Ministério Público, por apologia ao crime de estupro.

Recentemente, outra polêmica trouxe a questão do machismo e da opressão à tona, envolvendo a modelo Gisele Bündchen.

Num anúncio da Hope, Gisele “ensina” às mulheres como usar os atributos físicos na hora de dar “más notícias”. Na campanha publicitária, a melhor forma é semi-nua. A própria Secretaria de Política para Mulheres do Governo Federal pediu a suspensão da propaganda.


A dor de ser mulher
A violência contra a mulher é uma questão grave no Brasil. Veja alguns números:

Em 2010, foram registradas 1,5 milhão de denúncias (por telefone) de agressão contra a mulher.

No Brasil, uma mulher é violentada a cada 12 segundos e uma mulher é assassinada a cada 2h.

6% dos homens acham que uns tapas de vez em quando na mulher é necessário.

2% dos homens acham que a mulher só toma jeito apanhando bastante.

Expediente

Órgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá. Rua Maurício Diamante, 65 - CEP: 12209-570 - Tel.: (12) 3946.5333 - Fax: (12) 3922.4775, São José dos Campos (SP). Site: www.sindmetalsjc.org.br. E-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br - Presidente do Sindicato: Vivaldo Moreira Araújo - Diretoria Executiva: Herbert Claros da Silva, Adilson dos Santos, Luiz Carlos Prates, José Gonçalves Mendonça, José Donizetti de Almeida - Diretoria Efetiva: Adilson Carlos do Prado, Ananias Francisco Santos, André Luis Gonçalves, Antonio Ferreira de Barros, Camilo Lélis Lopes, Célio Eduardo Silveira, Clóvis Fernandes de Sousa, Edson Alves Cruz, Eduardo de O. S. Carneiro, Eliane dos Santos, Geraldo de Jesus Santos, Ivan Cardoso de Souza, Jésu Donizetti de Souza, João Batista Arruda, José Francisco Sales, Keila Mendes Costa, Luciano de Oliveira Valle, Luciano Macedo César, Renato Bento Luiz, Rilma Maria da Silva, Rinaldo Fernando Silveira, Rogério Willians de Oliveira, Sebastião Francisco Ribeiro, Silvio Peninck de Oliveira, Valdir Martins de Souza, Valmir Diniz Ferreira, Vinícius Faria - Conselho Fiscal: Edmir Marcolino da Silva, José Dantas Sobrinho, Lauro Claudino Nunes, Ademir Tavares da Paixão, José Carlos de Lima, Rosângela de Souza Calzavara - Responsabilidade da publicação: Diretoria do Sindicato - Edição: Ana Cristina da Silva. Redação: Douglas Dias, Eliane Mendonça, Rodrigo Correia, Shirley Rodrigues - Editoração Eletrônica e Ilustração: Bruno César Galvão Impressão: Jornal Diário da Região - CNPJ 07.351.093/0001-48

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®