Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal do Metalúrgico

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 1255 | De 18 de Dezembro a 07 de Janeiro de 2019

Expediente

Orgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de S. J. Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá • Rua Maurício Diamante, 65 - 12209-570- (12) 3946.5333 - Fax: 3922.4775 - site: www.sindmetalsjc.org.br - e-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br - São José dos Campos - SP - Responsabilidade: Diretoria do Sindicato - Edição: Shirley Rodrigues - Redação: Manuela Moraes e Shirley Rodrigues. Editoração e Ilustração: Bruno Galvão - Fotolito e Impressão: Unisind.

Retrospectiva 2018

Ano exigiu força na defesa dos direitos dos trabalhadores

Reforma trabalhista fortaleceu os patrões, mas os metalúrgicos não se intimidaram. Foram à luta e conseguiram preservar os direitos já conquistados

O ano de 2018 exigiu dos trabalhadores muita força e organização. Com a reforma trabalhista em vigor, foi preciso arregaçar as mangas e enfrentar governo e patrões para defender direitos.

Liderados pelo Sindicato, os metalúrgicos da região colocaram toda força nas campanhas salarial e de PLR e participaram de mobilizações nacionais em defesa da aposentadoria, do emprego e direitos, como no Dia do Basta (10 de agosto). Será preciso manter este espírito em 2019. O futuro presidente Jair Bolsonaro (PSL) já deixou claro que não vai dar moleza para os trabalhadores e que vai privilegiar os patrões.

MOBILIZAÇÕES NACIONAIS PRESSIONARAM CONTRA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Em 19 de fevereiro, os metalúrgicos da região juntaram-se a trabalhadores de todo país no Dia Nacional de Luta contra a reforma da Previdência. Eles protestaram nas portas das fábricas (na foto, ato na Chery) e no centro de São José dos Campos.

Diante das mobilizações e da falta de votos necessários para aprovar as mudanças na aposentadoria, o governo de Michel Temer (MDB) anunciou, no mesmo dia, a suspensão da tramitação da reforma da Previdência, que não foi mais retomada em 2018.

CATEGORIA REELEGE CSP-CONLUTAS PARA SINDICATO

Em 1º de março, a Chapa 1, da CSP-Conlutas, venceu a eleição para a diretoria do Sindicato, com 64% dos votos válidos. A CUT foi derrotada.

Com a vitória, os metalúrgicos mantiveram o Sindicato no caminho da luta, sob a presidência de Weller Gonçalves. No dia 19 de maio, a nova diretoria tomou posse (foto) com direito a cerimônia e festa com a categoria, no Clube de Campo Luso Brasileiro.

CAMINHONEIROS EM GREVE PARAM TODO PAÍS

Iniciada no dia 21 de maio, a greve nacional dos caminhoeiros encurralou o governo Temer. Eles pararam o país por mais de 10 dias contra a alta nos preços dos combustíveis. No dia 29 de maio, a greve ganhou força com a adesão dos petroleiros, obrigando o governo a ceder às reivindicações.

VEREADORA MARIELLE É ASSASSINADA

O assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, no dia 14 de março, chocou o mundo. O crime foi reconhecido como político. Em 14 de dezembro, a Secretaria de Segurança Pública afirmou que Marielle foi morta porque interferiu em interesses de milicianos em casos de grilagem, mas as investigações continuam.

SINDICATO FAZ FORTE CAMPANHA CONTRA VENDA DA EMBRAER


Assembleia no dia 17/1 foi a primeira da campanha contra a venda da Embraer

No dia 16 de janeiro, o Sindicato lançou o manifesto contra a venda da Embraer para a Boeing, dando início à campanha em defesa dos empregos e da soberania nacional.

Por iniciativa do Sindicato, o tema foi discutido em seminários junto à população, no Senado, Câmaras Federal e Municipal e no Supremo Tribunal Federal.

No dia 21 de maio, o Ministério Público do Trabalho notificou o governo cobrando a manutenção do nível de emprego na companhia.

A Justiça Federal chegou a suspender o processo de negociação, no dia 7 de dezembro, mas a Embraer recorreu e anulou a decisão.

CENÁRIO POLÍTICO LEVA À ELEIÇÃO DE BOLSONARO

Em meio à crise, ao desemprego e à prisão do ex-presidente Lula, os brasileiros elegeram, no dia 28 de outubro, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) para comandar o país nos próximos quatro anos.

Ele obteve 55% dos votos no segundo turno e interrompeu o ciclo de vitórias do PT - partido que traiu os trabalhadores em 13 anos de governo.

Como defensor da ditadura, Bolsonaro fez ameaças diretas a ativistas e a qualquer pessoa que venha a se posicionar contra seu futuro governo.

Depois de eleito, o futuro presidente avisou que vai acabar com o Ministério do Trabalho, aprofundar ainda mais a reforma trabalhista e priorizar a reforma da Previdência. Para completar, disse ainda que patrões já sofrem muito no Brasil, revelando quem serão os grandes privilegiados em seu governo.

MULHERES FORAM À LUTA CONTRA O MACHISMO



As mulheres se levantaram contra o machismo em 2018. No 8 de março da Espanha, uma greve nacional denunciou a violência doméstica e a desigualdade salarial.
Na Argentina, milhões saíram às ruas, em 9 de agosto, em defesa da legalização do aborto. No Brasil, aconteceram grandes atos nos dias 29 de setembro e 20 de outubro contra o machismo representado por Bolsonaro. Em São José dos Campos, cerca de 2 mil pessoas percorreram as ruas gritando “ele não” no dia 29/9 (foto).

APESAR DA REFORMA TRABALHISTA, CAMPANHA SALARIAL GARANTE DIREITOS



Na Avibras, trabalhadores conquistaram aumento real e renovação de direitos


Na MWL, metalúrgicos permaneceram 16 dias em greve e conquistaram aumento real, PLR e direitos

Impedir a retirada de direitos liberada pela reforma trabalhista foi o grande objetivo da Campanha Salarial de 2018.

Com mobilizações, os metalúrgicos deixaram claro que não aceitariam perda de direitos. Na maioria das fábricas e em seis grupos patronais, as convenções e acordos coletivos foram renovados, construindo uma barreira contra a reforma trabalhista.

Na MWL, em Caçapava, e Retin, em São José dos Campos, a intransigência dos patrões foi grande e levou a greves. Nas duas fábricas, os trabalhadores conquistaram aumento real e renovação de direitos, assim como ocorreu na maioria das fábricas da região.

SINDICATO COBRA INVESTIMENTOS E ESTABILIDADE NO EMPREGO NA GM


Em assembleia, metalúrgicos da GM aprovam campanha em defesa do emprego

Ao longo do ano, o Sindicato e os trabalhadores realizaram várias ações para cobrar da GM estabilidade no emprego e investimentos na fábrica.

A cobrança ocorreu em função do descumprimento do acordo de 2013, que previa investimento de R$ 2,5 bilhões na planta de São José.

Dirigentes do Sindicato reuniram -se com os prefeitos de São José e Taubaté em busca de apoio.

Em 26 de novembro, a GM anunciou um plano de reestruturação mundial com fechamento de sete plantas e demissão de 15% da mão de obra. Os trabalhadores de São José iniciaram nova campanha em defesa dos empregos.

VALORES DE PLR SÃO SUPERIORES AOS DE 2017


Trabalhadores da JC Hitachi entraram em greve e conquistaram 25% de aumento na PLR

Os metalúrgicos foram à luta por PLR maior que a do ano passado e tiveram vitórias. Nas fábricas, o aumento variou de 3,3% até 28%.

Para chegar a esta conquista, foi preciso uma boa dose de organização e mobilização. Na JC. Hitachi, uma greve no dia 19 de abril arrancou uma PLR de R$ 6.250 (25% maior que a anterior).

JURÍDICO GARANTE INDENIZAÇÕES E REINTEGRAÇÕES


Sindicato consegue reintegração de trabalhador da Embraer

O Departamento Jurídico do Sindicato ficou na retaguarda das lutas da categoria e garantiu, nos tribunais, direitos aos metalúrgicos. Com processos movidos pelo Sindicato, os trabalhadores da Eaton (São José) receberam R$ 1 milhão em direitos. Na Parker Hannifin (Jacareí), os trabalhadores receberam R$ 1,6 milhão; na MWL (Caçapava), foram R$ 35 milhões em dois processos. Na Philips, uma ação por adicional de insalubridade levou R$ 10 milhões aos trabalhadores.

Conquistamos também a reintegração de 22 companheiros que haviam sido demitidos irregularmente por fábricas como GM, Embraer, Avibras, Prolind e MWL. Estas vitórias mostram a importância de termos um Departamento Jurídico forte.

R$ 47,6 milhões em ações coletivas
22 reintegrações por demissões irregulares

OBRAS NA SEDE CONTINUAM PARA APERFEIÇOAR ATENDIMENTO À CATEGORIA



As obras para a reforma da sede do Sindicato estão em andamento para garantir mais conforto e praticidade aos metalúrgicos durante os atendimentos e assembleias.

SINDICATO LANÇA PROGRAMA NA INTERNET



Para ampliar a interação com os trabalhadores, o Sindicato lançou, em 25 de outubro, o programa “Em Movimento”. Com transmissão via Facebook, o programa debate assuntos de interesse da classe trabalhadora. Na estreia, entrevista com o professor Marcos Orione (na foto, à direita).

MUITA DESCONTRAÇÃO COM ACORDA PEÃO, FUTEBOL, TORNEIO DE PESCA E SAMBA


Bloco Acorda Peão criticou a reforma da Previdência

O ano também foi de descontração. No dia 10 de fevereiro, o bloco Acorda Peão levou ao Carnaval de São José um protesto contra a reforma da Previdência e a venda da Embraer.

O 9º Campeonato de Futebol Society também foi animado. No dia 1º de dezembro, a equipe da TI Automotive levou o título de grande campeã. Uma novidade foi o 1º Torneio de Pesca, que reuniu metalúrgicos em um pesqueiro de Jacareí, em 25 de novembro.

Para encerrar o ano, o Sindicato lançou, em 8 de dezembro, o Samba Democrático, um espaço aberto para quem gosta de boa música.




 



















 












 

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®