Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região

Voltar para Página Inicial

Jornal do Metalúrgico

  • Aumentar Fonte
  • Diminuir Fonte
  • Imprimir
  • Enviar por e-mail

Versão em PDF

Edição 1153 | De 05 a 12 de Abril de 2016

Expediente

Órgão informativo do Sindicato dos Metalúrgicos de S. J. Campos, Caçapava, Jacareí, Santa Branca e Igaratá - Rua Maurício Diamante, 65, São José dos Campos - CEP 12.209-570. Telefone (12) 3946.5333 - Fax: 3922.4775 - site: www.sindmetalsjc.org.br - e-mail: comunicacao@sindmetalsjc.org.br. Responsabilidade: Diretoria do Sindicato. Edição: Rodrigo Correia. Redação: Lucas Martins, Manuela Moraes e Shirley Rodrigues. Editoração eletrônica: Bruno César Galvão. Ilustração: Bruno César Galvao. Fotolito e Impressão: Jornal Diário da Região Ltda. CNPJ: 07.351.093/0001-48 - Fone: (12) 3966-1212.

Manifestação no 1º de abril

Ato na Av. Paulista exige: "Fora todos" e eleições gerais

O 1º de abril foi um dia de muita luta, em que manifestantes levaram suas bandeiras para dar um basta no governo Dilma, no Congresso Nacional corrupto e na oposição de direita: “Fora todos eles” e eleições gerais, já!

Cerca de 5 mil manifestantes ocuparam a Avenida Paulista, em São Paulo, na sexta-feira. Entre eles, metalúrgicos da nossa região que foram em caravana ao ato convocado pela CSP-Conlutas e Espaço de Unidade de Ação. Mais de 30 entidades participaram da manifestação.

Além de dar um basta no PT, PMDB, PSDB e todos os partidos que defendem o ajuste fiscal e exigir a realização de novas eleições, os manifestantes protestaram contra a reforma da Previdência, por estabilidade no emprego, redução da jornada sem redução de salário, moradia, educação e em defesa do povo pobre.

Greve geral
A crise econômica que penaliza a classe trabalhadora também tem de ser fortemente combatida. E isso se faz com greve geral, como foi defendido pelas entidades participantes da manifestação.

O dia 1º de abril foi só o pontapé inicial. A luta vai continuar nas ruas e nas fábricas.


O que dizem os manifestantes:

"O povo está pagando um preço alto demais por essa política econômica. O ‘Fora Todos’ já está na boca dos trabalhadores. É preciso eleições gerais e greve geral.”
Macapá, presidente do Sindicato

"A corrupção que assola este país é escandalosa. O dinheiro que falta no transporte, na saúde, na educação está sobrando no bolso dos corruptos para bancar suas campanhas eleitorais.”
Toninho Ferreira, presidente do PSTU São José dos Campos

"Não aceitamos essa ladainha de golpe. Golpe é quando cortam nossos salários e colocam nas costas dos trabalhadores o ajuste fiscal.”
Mancha, da CSP-Conlutas


Por uma alternativa dos trabalhadores

O processo de impeachment contra Dilma Rousseff nada mais é do que uma disputa de poder entre PT, PMDB, PSDB e outros partidos da oposição de direita.

Na verdade, estes partidos brigam pelo comando do país, mas defendem a mesma política econômica que favorece os banqueiros e grandes empresários e penaliza os trabalhadores e os mais pobres.

Por isso, é preciso construir, nas lutas e com a realização de uma greve geral, uma alternativa de governo que atenda realmente aos interesses dos trabalhadores e do povo pobre.

“Temos de trocar todos eles: governadores, deputados, senadores e presidente. A mudança que garantirá vida digna ao povo só virá quando os trabalhadores se unirem por uma sociedade socialista”, disse o presidente do PSTU, José Maria de Almeida.


Manifestações em várias partes do país

Não foi só em São Paulo que os trabalhadores e movimentos sociais foram às ruas. Também houve manifestações em diversos estados, como Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Ceará, Rio Grande do Norte, Maranhão, Pernambuco, Amapá, Piauí e Alagoas. Afinal, os ataques do governo estão afetando a classe trabalhadora de todo o país.


Nas fábricas

Metalúrgicos da nossa região também estão aderindo ao “Fora todos eles”. Já houve assembleias na GM, Embraer, Avibras, Blue Tech, Chery, Hitachi, Deca, Rosa Maria Cioca, Latecoere e Parker Hannifin.


Agora, vamos preparar as lutas do 1º de Maio

As manifestações do dia 1º de abril foram um esquenta para o 1º de maio, quando iremos novamente às ruas pelo Dia Internacional do Trabalhador.

Este ano, a data assume um importante papel. A CSP-Conlutas está convocando todos os trabalhadores para defenderem seus direitos, mas também para reafirmar a luta pelo “Fora todos eles” e eleições gerais.

Vamos nos contrapor às manifestações da CUT e CTB (em favor do governo Dilma) e da Força Sindical (em favor do impeachment, para que o PMDB assuma o poder).

Vamos todos a São Paulo
Então, se você é contra a retirada de direitos e a favor da saída dos corruptos do poder pelas mãos dos trabalhadores, anote já em sua agenda: dia 1º de maio (domingo), às 10h, vai ter nova manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo.

O Sindicato vai organizar uma caravana para levar o maior número de trabalhadores possível.

Chame seus amigos e familiares. Vamos todos a São Paulo fazer uma manifestação ainda maior do que a de 1º de abril.

“Só a unidade da classe trabalhadora, independente do governo e dos patrões, pode abrir uma terceira via neste país. Nem Cunha, nem Dilma. Queremos a unidade da classe trabalhadora”, disse o economista Plínio de Arruda Sampaio Júnior, durante a manifestação de sexta-feira.
 

Busca por palavras

Busque o jornal por edição

Veja todas as edições



Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá
Sede: Rua Coronel Moraes, 143, Jardim Matarazzo, São José dos Campos - SP | Telefone: (12) 3946.5333 | Fax: (12) 3922.4775.
© 2019 Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região - Todos os direitos reservados | Desenvolvimento Web: ClickNow®